‘Rainha do marfim’ é condenada a 15 anos de prisão na Tanzânia

‘Rainha do marfim’ é condenada a 15 anos de prisão na Tanzânia
Chinesa traficou mais de 800 presas de elefantes - Leon Basson/ Pixabay 24.09.2014

Segundo fontes policiais, a condenada vive na Tanzânia desde a década de 70, e em outubro de 2015, data na qual foi detida, ocupava um alto cargo do Conselho Empresarial China-África da Tanzânia.

Fazendo uso de um restaurante chinês como cobertura, Yang estabeleceu uma rede de fornecimento internacional de marfim, transportando toneladas deste material até o pujante mercado de seu país de origem.

Junto aos tanzanianos, a contrabandista chinesa chegou a enterrar presas de centenas de elefantes nos jardins de suas duas residências, segundo veículos de imprensa locais, e inclusive financiou caçadores ilegais que operavam em áreas protegidas.

Os grupos defensores dos animais calculam que os caçadores ilegais matam cerca de 30 mil elefantes africanos por ano para por suas presas.

A sobrevivência a longo prazo desta espécie está ameaçada pelo comércio de marfim, material ao qual atribuem propriedades medicinais e afrodisíacas em países asiáticos como China e Vietnã, último destino de muitas destas cargas ilegais.

Fonte: R7

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.