Recolheu cadela após 14 anos acorrentada e recebe ajuda inesperada

Recolheu cadela após 14 anos acorrentada e recebe ajuda inesperada

Durante mais de uma década, Thayne Hamilton e Christine recolheram os cães que ninguém queria adotar, como uma cadela que passou 14 anos acorrentada e cujas pernas ‘colaram’ ao corpo. A morte da esposa ameaçou um fim abrupto, mas Hamilton recebeu uma ajuda inesperada.

Por João Miguel Ribeiro

Washington thegreymuzzle1

Na ilha de Orcas, no estado de Washington (EUA), são poucos os que nunca ouviram falar em Thayne Hamilton e Christine, o casal responsável pela The Grey Muzzle, uma organização de apoio a cães em fim de vida. Durante mais de uma década, o casal adotou os cães que mais ninguém queria adotar, uns por questões de saúde, a grande maioria porque já eram animais idosos.

O caso de Lilla, ou a “Menina dos pezinhos chatos”, é o mais exemplar. Esta cadela esteve 14 anos acorrentada a uma placa de cimento. Quando foi resgatada, tinha as patas ‘coladas’ ao resto do corpo. Para se ter uma ideia da devoção de Thayne Hamilton e Christine, basta dizer que todos os dias levavam Lilla a passear, num carrinho de mão. O empenho foi tanto que a própria cadela aprendeu, aos 14 anos, a manter-se de pé e a dar pequenos passos.

Só que estes casos de sucesso estiveram em risco em 2013, quando Christine sofreu uma doença grave. Já em fase terminal, a mulher obrigou Thayne Hamilton a respeitar o último desejo: abdicou de tratamentos e de eventuais cuidados de reanimação para que os custos não pusessem a The Grey Muzzle em risco.

Hamilton continuou, sozinho, mas as dificuldades iam crescendo. Afinal, só um cão grande ‘custa’, em alimentação, mais de 1500 dólares por ano (e no santuário da organização existem nove cães)…

Os problemas chegaram ao conhecimento do programa TalkItUpTV, que convida os espetadores a escolherem quais os projetos que merecem receber um apoio de mil euros. Veja como correu a visita da apresentadora e a reacção do bondoso Thayne Hamilton quando recebeu o cheque:

Fonte: PT Jornal (Portugal) / mantida a grafia original

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.