Responsável por rinha de galos leva multa de R$ 132 mil em Presidente Prudente, SP

Responsável por rinha de galos leva multa de R$ 132 mil em Presidente Prudente, SP
Galos foram encontrados sem água e alimentação (Fotos: Cedida/Polícia Militar Ambiental)

A Polícia Militar Ambiental aplicou nesta terça-feira (25) uma autuação de R$ 132 mil, por maus-tratos a animais domésticos, a um homem tutor de 44 galos da raça “índio” que eram mantidos no quintal de um imóvel localizado na Vila Áurea, em Presidente Prudente. Segundo a corporação, foram encontrados no local vários artefatos usados na prática de briga de galos.

A equipe policial compareceu ao imóvel após uma denúncia e entrou em contato com um homem, que disse ser irmão do proprietário do local.

O envolvido foi notificado sobre a presença do policiamento ambiental no local e autorizou a entrada da equipe para realizar uma vistoria. No quintal, foram localizados vários artefatos usados na prática da rinha de galos, entre os quais um rebolo (local onde é realizada a briga das aves), quatro biqueiras de couro, 17 biqueiras de metal, nove esporas de metal e frascos de produtos farmacêuticos utilizados para a medicação de animais após a rinha.

Também foram localizados 44 galos da raça “índio” acondicionados em gaiolas de madeira de prateleiras e passeadores.

No momento da vistoria, as aves estavam sem água e alimentação e não havia ventilação no local. Os galos também tinham esporas cortadas e barbelas amputadas. Alguns ainda apresentavam ferimentos na altura da cabeça.

Diante dos fatos, o proprietário dos galos foi autuado em R$ 132 mil por praticar maus-tratos em animais domésticos.

Os materiais foram apreendidos, bem como os galos, porém, o infrator ficou como depositário fiel dos mesmos, uma vez que, segundo a polícia, “não há local adequado para a destinação”.

Polícia desmantelou rinha de galos na Vila Áurea, em Presidente Prudente
Artefatos usados em briga de galos foram apreendidos
Artefatos usados em briga de galos foram encontrados no local

Fonte: G1

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.