Rinoceronte-negro morre momentos antes de ser libertado na natureza

Um rinoceronte-negro morreu momentos antes de ser libertado na natureza, de acordo com a ONG britânica The Aspinall Foundation, que realiza trabalhos de conservação da vida selvagem. O animal tinha o nome de Zambezi e estava sendo transportado pelos ativistas de uma reserva natural em Kent, na Inglaterra, até a Tanzânia.

Existem apenas 5,6 mil exemplares da espécie vivendo no planeta, o que a categoriza como em perigo de extinção. Zambezi estava viajando para o país africano justamente para estimular a reprodução de rinocerontes-negros na região.

Pouco após o embarque bem-sucedido do animal em uma aeronave preparada para a missão, a ONG divulgou imagens do evento nas redes sociais. Foi só quando aterrissaram que os responsáveis por Zambezi constaram sua morte.

“Ainda não sabemos o que causou sua morte, mas, é claro, vamos realizar todos os exames e investigações possíveis para ver se há lições a serem aprendidas”, relatou um dos membros da ONG, Damian Aspinall, de acordo com a BBC

Também segundo Aspinall, a entidade já teve sucesso em outros oito transportes de rinocerontes-negros. “Acredito firmemente que esses animais não pertencem ao cativeiro. Nosso objetivo a longo prazo é ver todos os zoológicos eliminados ou, caso contrário, ver essas instituições realmente fazendo um trabalho de conservação”, afirmou.

Fonte: Galileu


Nota do Olhar Animal: Certamente manter um animal confinado em um zoológico para satisfazer a curiosidade humana é um abuso invariavelmente associado a maus-tratos. Mas reintroduzir um animal a qualquer custo para satisfazer dogmas de ambientalistas, expondo o animal a riscos desnecessários e para os quais não estão preparados também é uma forma bastante equivocada de agir com os animais. Não é possível ainda dizer que isso aconteceu no caso deste rinoceronte, mas é fato bem comum e o que há relatado sugere que tenha ocorrido. A necropsia poderá esclarecer.

Os comentários abaixo não expressam a opinião do Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.