Rio: gata é atingida por tiro de fuzil durante operação policial no Complexo do Alemão e engole a bala

Rio: gata é atingida por tiro de fuzil durante operação policial no Complexo do Alemão e engole a bala
Projétil ficou alojado na língua do animal — Foto: Reprodução

Eram cerca de 4h da manhã quando a dona de casa Maria Lucia de Almeida Rosa, de 60 anos, acordou com a filha Ana Luiza aos gritos. As duas moram na rua Dr. Miguel Vieira Ferreira, em Ramos, próximo ao Complexo do Alemão, na zona norte do Rio. A jovem dormia quando foi acordada por um barulho. Até então, Ana Luiza não fazia ideia do que poderia ser. Mas, ao longe, já conseguia ouvir os tiros entre policiais e traficantes durante uma operação realizada nesta terça-feira. Ana estranhou o fato de o animal pular na cama, já que ela não tem o hábito de dormir com a tutora. Ao acender a luz, ela percebeu que havia algo de errado.

— Minha filha viu que no chão tinha sangue e que a Malu estava ferida. Ela se desesperou e me acordou aos gritos — relata Maria Lucia, explicando que a gata costuma passar a noite na área de serviço.

As duas então saíram às pressas para levar a gatinha até uma clínica veterinária, na Penha.

— Malu estava com muita dor, miava muito. Colocamos ela na caixa de transporte e pedimos um carro de aplicativo para nos levar até a clínica. Não havia nenhuma movimentação policial na nossa rua — conta Maria Lucia.

Bala está alojada no trato digestivo do animal — Foto: Reprodução
Bala está alojada no trato digestivo do animal — Foto: Reprodução

Foi ao dar entrada na clínica, que Maria Lucia e a filha tomaram conhecimento do que realmente tinha acontecido com a gata. Após o animal ser sedado, o veterinário constatou ao examiná-la que havia uma bala presa à língua da gatinha. O veterinário disse à tutora acreditar que se trata de uma bala de fuzil.

— Não fazíamos ideia de que ela tinha sido atingida por uma bala perdida. Como ela já tinha sido atropelada e precisou colocar uma placa de metal no maxilar, achei que tivesse acontecido algo em decorrência dessa cirurgia. Nunca imaginei que isso pudesse acontecer. A bala poderia ter atingido uma de nós — afirma a dona de casa.

A casa da família fica a cerca de um quilômetro e meio de distância da Alvorada, uma das principais entradas do Complexo do Alemão, que fica na Estrada do Itararé.

Mas, antes que o projétil fosse removido, a bala se deslocou e acabou indo parar no estômago da gata. Apesar do ferimento, o animal foi medicado e não deve passar por cirurgia. O veterinário acredita que a bala seja expelida naturalmente nos próximos dois dias. Caso contrário, deverá ser submetida a uma cirurgia.

— Estamos aflitas, mas ela está bem. Já não está com dor. Inclusive, já conseguiu comer o sachê. Estamos confiantes de que vai ficar bem — diz a tutora.

Malu a gatinha baleada — Foto: Reprodução
Malu a gatinha baleada — Foto: Reprodução

Malu, que deve ter aproximadamente três anos, foi resgatada há um ano pela família da Maria Lucia. Não é a primeira vez que ela passa por uma situação delicada. Ao sair de casa, antes do local ser telado, ela foi atropelada e precisou reconstruir o maxilar. Além dela, a dona de casa tem outros quatro felinos. Todos foram abandonados na porta da casa da dona de casa:

— Quem gosta de animal sabe o quanto é delicado passar por isso. Mais ainda quando vemos um animal ser abandonado, mal tratado. Eu sofro. Malu já gastou duas vidas. Espero que não gaste mais nenhuma.

Maria Lucia e a filha moram na região há 16 anos e por duas vezes já encontraram cápsulas de bala no terraço da casa:

— A gente só torce para que ninguém seja vitimado por isso.

Por Isabelle Resende

Fonte: Extra

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.