RS: internautas fazem ato por maus-tratos e morte de cadela

RS: internautas fazem ato por maus-tratos e morte de cadela

Inquérito da Polícia Civil indiciou tutora do animal por maus-tratos. 

RS portoalegre manifestomortecachorroUm grupo criado para denunciar maus-tratos em animais organiza pelas redes sociais uma manifestação em Porto Alegre (RS) após a morte de uma cadela. O animal, de nome Twid, foi encontrado sem vida no térreo do edifício onde morava com a tutora, na rua Marechal Floriano Peixoto, no centro da capital, depois de ter caído do quarto andar.

Até o meio-dia desta segunda-feira, 2,2 mil pessoas já haviam confirmado presença no ato marcado para a próxima sexta-feira, às 17h. Segundo os organizadores, o objetivo é pedir uma maior punição para crimes contra animais.

A tutora de Twid, uma mulher de 34 anos, foi indiciada pela Polícia Civil pelo crime de maus-tratos a animais, com agravante em função da morte da cadela.

O caso chegou na 1ª Delegacia de Polícia da Capital após denúncia de vizinhos. De acordo com o delegado Paulo César Caldas Jardim, foi feita perícia no local do incidente. Além disso, testemunhas e a tutora de Twid foram ouvidas. À polícia, a mulher contou que bateu com uma vassoura na cadela após ter percebido que ela havia comido o seu celular. Na sequência, Twid saiu correndo e caiu pela janela.

Segundo o delegado, a mulher visivelmente apresenta problemas psiquiátricos. Ela morava sozinha no apartamento com Twid, mas intercalava com períodos vivendo na rua. “Ela é uma pessoa clinicamente instável, doente, toma um remédio antialucinógeno. Ela esteve internada e é dependente química”, disse Jardim.

O ato contra maus-tratos e pela morte da cadela ocorre no número 386 da Marechal Floriano. Os organizadores ressaltam que o protesto é pacífico e pedem que os participantes levem cartazes e faixas pedindo Justiça. “De nada vale respondermos a deliquência com inconsequência. Vamos mostrar que nossa causa é do bem”, diz o convite.

Fonte: Terra

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.