Santuaai: o primeiro santuário de vida silvestre no México está em Querétaro

Santuaai: o primeiro santuário de vida silvestre no México está em Querétaro
Procuram conscientizar sobre respeito animal. Foto: Hugo Arciniega / Diario de Querétaro

Num passo histórico para a conservação da biodiversidade, Querétaro conta com o primeiro santuário de vida selvagem do México dedicado ao resgate, reabilitação e conservação de animais do tráfico ilegal, abuso e abandono, no município de Ezequiel Montes.

Fundado por Fernanda Quinzaños, este local surgiu em 2015, após as reformas da Lei Geral da Vida Selvagem e da Lei Geral de Equilíbrio Ecológico e Proteção Ambiental que proibiram a utilização de animais em circos. Estas reformas deixaram mais de 80% destes animais à deriva e os condenaram à morte.

A construção começou há dois anos, mas começou em 2015, quando foi imposta a proibição de animais em circos, uma lei que não foi além da simples conquista de votos e condenou centenas de milhares de animais à morte. “80% dos animais foram condenados a condições violentas”, explicou.

Ele disse que são as autoridades federais que entregam os animais apreendidos, a maioria provenientes de maus-tratos ou tráfico ilegal. Por isso, Santuaai inicia um protocolo de avaliação para que o animal conheça suas condições de saúde. Esses animais geralmente chegam com estresse, medo e problemas comportamentais.

O santuário se dedica a resgatar, reabilitar e conservar os animais. Foto: Hugo Arciniega / Diario de Querétaro
O santuário se dedica a resgatar, reabilitar e conservar os animais. Foto: Hugo Arciniega / Diario de Querétaro

O santuário busca conscientizar as pessoas sobre a não aquisição de animais exóticos como animais de estimação, além de estimular os visitantes a estabelecerem um vínculo de respeito e amor com os animais.

“Temos cerca de 80 animais, e 70% da nossa população vem de resgate. Ainda estamos iniciando. O que queremos aqui é conscientizar, que as pessoas não comprem animais exóticos como mascots, que acabe essa demana e, portanto, essa oferta de venda de animais é uma coisa muito séria, por isso queremos que as pessoas venham e criem um vínculo de respeito e amor, através de uma interação segura e respeitosa.”

 Procuram conscientizar as pessoas. Foto: Hugo Arciniega / Diario de Querétaro
Procuram conscientizar as pessoas. Foto: Hugo Arciniega / Diario de Querétaro

Referiu que todos os fins de semana recebem cerca de 100 pessoas, com cerca de 14 pessoas trabalhando. Entre os animais estão cangurus, capivaras, onças, leões, tigres, pássaros, ursos negros, lêmures, macacos e um burro.

Fernanda Quinzaños destacou que este projeto, embora tenha pessoas que apoiam o seu financiamento, apela à autosustentabilidade, por isso apelou também ao governador do estado de Querétaro, Mauricio Kuri González, para apoiar este tipo de projetos focados em preservação dos animais.

Esses animais geralmente chegam com estresse, medo e problemas comportamentais. Foto: Hugo Arciniega / Diario de Querétaro
Esses animais geralmente chegam com estresse, medo e problemas comportamentais. Foto: Hugo Arciniega / Diario de Querétaro

Por David Álvarez / Tradução de Alice Wehrle Gomide

Fonte: Diário de Querétaro


Nota do Olhar Animal: Santuário que merece esse nome não exibe animais para o público, porque isso causa estresse aos bichos. O nome disso é zoológico. Além disso, leões e tigres são animais exóticos no México e é no mínimo estranho que falem em “conservação” desses animais. O que comumente acontece é a procriação para “abastecer” o próprio zoológico ou outros. Leia mais na matéria abaixo.

Nove razões para não visitar zoológicos