Santuário faz campanha para construir espaço para abrigar o 1º elefante macho em Chapada dos Guimarães, MT

Santuário faz campanha para construir espaço para abrigar o 1º elefante macho em Chapada dos Guimarães, MT
Tamy deve ser o primeiro macho a morar no Santuário dos Elefantes. — Foto: SEB/Divulgação

O Santuário dos Elefantes que fica em Chapada dos Guimarães, a 70 km de Cuiabá, começou uma campanha para construir habitat para o novo morador Tamy, que vive temporariamente em um Eco Parque na Argentina. Tamy e mais três elefantes do parque aguardam o transporte até o Santuário.

Desde 2016, o Santuário resgata elefantes que estão em cativeiro e em situações de risco. Sendo o primeiro da América Latina, ele oferece apoio, espaço e cuidados aos animais que foram maltratados.

O Santuário é dividido em quatro espaços: um habitat para fêmeas asiáticas, outro para fêmeas africanas, um para machos asiáticos e outro para machos africanos. Até agora só foram resgatadas elefantes fêmeas asiáticas que são a Maia, Rana, Lady, Mara, Bambi, Guida e Ramba.

Hoje cinco elefantas vivem no Santuário. — Foto: SEB/Divulgação

Em 2016, chegaram as duas primeiras elefantes fêmeas, Maia e Guida. Em 2018, chegou a vez de Rana e em 2019, Ramba e Lady.

Das cinco elefantas trazidas para o Santuário, duas morreram no ano passado. Guida, uma das primeiras moradoras do primeiro Santuário de Elefantes da América Latina, morreu em junho e Ramba, em dezembro, dois meses depois de chegar ao local.

Durante a pandemia, o Santuário fez o transporte de Mara e Bambi tomando os cuidados de biossegurança com a equipe de resgate.

Bambi foi a última a chegar no Santuário dos Elefantes. — Foto: SEB/Divulgação

Quatro novos integrantes do Eco Parque que fica em Mendoza, na Argentina aguardam o transporte para o novo espaço: Pocha, Guilhermina, Kenya e o elefante Tamy. Duas fêmeas africanas, Puppi e Kukki também esperam o resgate do Eco Parque de Buenos Aires.

Primeiro, é preciso fazer a construção dos novos habitats para comportar os integrantes que estão aguardando. Tamy é um macho asiático que tem como filha, a Guilhermina. Eles vivem em um local que inicialmente era um zoológico e trabalhou durante 10 anos em circos. Tamy tem 50 anos e vive separados dos outros animais.

O dinheiro para a campanha será investido em três centros médicos e três recintos para comportar três elefantes asiáticos. Até o momento, houve 58 doações e a meta é de mais de R$1 milhão e 500 mil.

Fonte: G1

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.