MT chapadadosguimaraes three elephants curly kisses

Santuário no Mato Grosso deve receber elefantes em seis meses

Uma fazenda de 1 mil hectares no Mato Grosso vai abrigar o primeiro santuário de elefantes da América Latina. As obras para preparar o local, que fica na cidade de Chapada dos Guimarães, a 40 quilômetros do parque nacional que leva o mesmo nome, já começaram. Acontece que uma instituição brasileira de proteção a esses animais, em parceria com outras duas instituições internacionais, está adaptando a área onde serão colocados os elefantes resgatados de cativeiros. A previsão é de que os animais comecem a chegar em seis meses.

O santuário será instalado na comunidade de Rio das Cascas. Na antiga fazenda de gado, os elefantes ficarão soltos, sendo que para que isso seja possível, haverá um investimento de aproximadamente 7 milhões de dólares.

A protetora de animais, Junia Machado, diz acreditar que em um prazo de três a seis meses já estejam prontos para receber os primeiros animais, porém, ressalta que ainda dependem de doações. “Somos uma organização sem fins lucrativos, então conforme seja o andamento das doações, podemos antecipar a vinda dos animais, frisa”.

Para que o santuário possa funcionar, ainda falta a licença de operação a ser fornecida pela Secretaria de Estado de Meio Ambiente, e para que isso aconteça, ainda falta concluir o centro médico.

“Já conseguimos comprar o material necessário para o centro, agora estamos angariando fundos para construir dois currais para podermos receber os primeiros quatro ou primeiros seis elefantes, e depois continuamos sempre trabalhando para conseguir mais doações e cercar a área toda e continuar a receber os animais”, explicou Junia.

O santuário de Chapada dos Guimarães será o sexto maior do mundo e vai ajudar na proteção da espécie. Júnia explica que em uma primeira fase, o espaço não será aberto ao público. “Estamos falando da primeira etapa e, depois da criação de um centro de visitantes e da instalação de uma ou duas torres de visitação, mas estamos falando de uma área de mais de mil hectares e não existe garantia de visualização. A ideia é garantir a preservação dos animais”.

Fonte: MT Mídia

Mais notícias

{module [427]}

{module [425]}

Os comentários abaixo não expressam a opinião do Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.