Sedada e com um capuz sobre os olhos, a girafa Asiwa foi resgatada de uma ilha no Quénia

Sedada e com um capuz sobre os olhos, a girafa Asiwa foi resgatada de uma ilha no Quénia
Save Giraffes Now

A população de girafas em África tem diminuído nas últimas décadas devido à perda de habitat e à caça ilegal. Porém, algumas subespécies estão em perigo mais iminente do que outras. Uma das populações mais ameaçadas é a girada dos Rothschild. Estima-se que haja apenas 1.600 na natureza e, destas, 800 vivem no Quénia.

Em 2011, algumas girafas de Rothschild foram realocadas para a Ilha Longicharo, no Lago Baringo. Na época, a massa de terra da ilha era maior e ligada ao continente, tornando-a uma península. Porém, as recentes inundações intensas ao redor do lago ameaçam a vida selvagem e as vilas locais – e isso inclui oito girafas presas na ilha.

Os guardas florestais da Ruko Community Wildlife Conservancy de 17.800 hectares – uma reserva estabelecida em 2006 – têm viajado para a ilha, fornecendo comida às girafas e verificando a sua saúde. Com a ameaça de mais enchentes, as autoridades decidiram resgatar os animais. 

Para conseguir isso, o Serviço de Vida Selvagem do Quénia, o carro Northern Rangelands Trust e a organização sem fins lucrativos Save Giraffes Now uniram-se aos locais para levar as girafas para um lugar seguro.

O grupo fez o primeiro resgate bem-sucedido de uma girafa chamada Asiwa esta semana.

“Preparámo-nos durante meses para essa mudança, fazendo o nosso melhor para eliminar qualquer risco para a girafa”, disse David O’Connor, presidente da Save Giraffes Now, de acordo com o Gizmodo.

Levar Asiwa e as outras girafas para um lugar seguro não é uma tarefa fácil. A comunidade Ruko construiu uma barcaça personalizada para a missão. “A estrutura retangular de aço foi projetada e construída especificamente para transportar girafas altas e pesadas”, disse O’Connor. “A barcaça flutua sobre uma série de tambores vazios. Lados reforçados impediam Asiwa de saltar enquanto a barcaça era gentilmente manobrada por barcos.”

Para ter certeza de que as girafas suportariam a viagem, a equipa tentou familiarizar os animais com a visão da barcaça durante um período de vários meses.

Quando chegou a hora de levar Asiwa, a girafa foi sedada, os seus olhos foram cobertos por um capuz e foi conduzida para a barcaça com cordas-guia.

“Levámos Asiwa durante mais de um quilómetro de águas repletas de crocodilos até ao recém-estabelecido santuário de girafas Ruko e a nossa equipa esteve lá o tempo todo para garantir que Asiwa estivesse segura”, disse O’Connor.

O santuário de girafas de 1.780 hectares na área de conservação de Ruko foi recentemente concluído e inclui cercas que devem manter Asiwa e as restantes girafas protegidas de predadores e outros perigos. Uma equipa de 20 pessoas na unidade de conservação também estará presente para proteger os animais.

No momento, o plano do jogo é resgatar as girafas restantes nos próximos dias e semanas. A longo prazo, O’Connor espera que o santuário eventualmente abrigue ainda mais girafas na esperança de reconstruir lentamente a sua população em toda a área.

Fonte: ZAP / mantida a grafia lusitana original 

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.