Sema registra 1,5 mil denúncias de maus-tratos aos animais em Londrina, PR

Sema registra 1,5 mil denúncias de maus-tratos aos animais em Londrina, PR
Foto: Shutterstock

A gerência de Fiscalização Ambiental da Sema – Secretária do Meio Ambiente – registrou 1,5 mil denúncias de maus-tratos aos animais desde de agosto de 2017, quando foi iniciada a fiscalização. Desde então, estão sendo realizados procedimentos pra educar e reprimir os tutores negligentes.

De acordo com a gerente de Fiscalização Ambiental, Graziella Damante, os casos mais comuns de denúncias são de cachorros em abrigo inadequado, abandono, e a mais frequente delas, são as de animais presos em correntes curtas. A gerente afirma que a maior parte desses casos ainda é por conta de pessoas que não conhecem a gravidade desses problemas. “Esse é um problema cultural. Muitas vezes o dono do cão não sabe que ele deve ficar pelo menos de seis a dez horas solto ou que precisam de espaço para caminhar” explica.

Essa fiscalização tem caráter repressivo, na qual os funcionários da Sema, ao atender uma denúncia, realizam primeiro um trabalho de educação, que é explicado aos dono dos animais como eles devem ser cuidados e partir daí dão um prazo para que resolvam o problema. Caso contrário, se o erro permanecer é aplicada uma multa e o cão pode ser levado do local. Como o município ainda não tem uma instituição que recebe animais abandonados ou que forma maltratados, eles são entregues a tutores fiéis ou redes protetoras.

O dinheiro da multa é aplicado em um fundo de proteção aos animais, que ajudam as comissões e ONG’s. Segundo Grazielle, esse processo de fiscalização tem resolvido bastante e o cidadãos denunciados têm atendido os pedidos da Sema. “No WhatsApp, recebemos vídeos, fotos e a Sema está na rua atendendo todas as denúncias, então ficou muito mais fácil”.

As denúncias podem ser feitas por telefone (43) 3372-4770 ou (43) 3372-4771, pelo e-mail [email protected] e pelo WhatsApp (43) 9 9994-8677, sendo este número apenas para o recebimento de mensagens.

Por Victoria Costa / Estagiária

Fonte: Bonde

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.