Semace adotará modelo do Ibama para novo Centro de Triagem de Animais no CE

Semace adotará modelo do Ibama para novo Centro de Triagem de Animais no CE

Por Alberto Perdigão

Ceara semace adota modelo triagem Ibama

A Superintendência Estadual do Meio Ambiente (Semace) adotará o modelo do Ibama, no projeto de construção do Centro de Triagem de Animais Silvestres (Cetas), considerado padrão no país. A decisão foi anunciada nesta quinta-feira (30), pelo superintendente da Semace, Ricardo Araújo, durante visita à unidade de triagem do Ibama, localizada em São José de Ribamar, na Região Metropolitana de São Luis-MA. O projeto tem a parceria institucional da Secretaria do Meio Ambiente (Sema).

A visita foi acompanhada pelo superintendente do Ibama no Ceará, Carlos Alexandre Alencar, e pelo superintendente local do órgão, Pedro Leão. O diretor de Fiscalização da Semace, Tiago Bessa, e o responsável pela Defesa da Fauna da autarquia, Roberto Cavalcante acompanharam. O grupo conheceu a estrutura física do local, o fluxo dos animais, funcionamento e a manutenção do equipamento.“O apoio técnico do Ibama nos dá a segurança de que teremos um Cetas de excelência no Ceará”, afirmou Araújo.

O Centro de Triagem é o local previsto em lei para o abrigo de animais silvestres resgatados de criadouros clandestinos, de situação de maus-tratos ou entregues voluntariamente pelo cidadão. Pássaros, macacos, lagartos e outras espécies de animais típicos da Caatinga são classificados e tratados por especialistas, antes de serem devolvidos à natureza. Uma unidade do Ibama funciona em Messejana, em Fortaleza, em parceria com a Semace. Mas o equipamento se tornou pequeno para o número crescente de resgates.

Cetas será em Caucaia

Um grupo de trabalho formado pela Semace, Sema e Ibama realiza os estudos técnicos para a construção do Cetas. Segundo os estudos, o equipamento será instalado no Parque Botânico, localizado em Caucaia, uma das Unidades de Conservação sob a responsabilidade da Sema. Pesou favoravelmente na escolha o fato da unidade estar numa área de transição entre o litoral e o sertão, a localização próxima à capital e o acesso fácil à principais estradas.

O que diz a lei

Com a publicação da Lei Complementar 140 de 2011, o Estado passou a ter competência para aprovar o funcionamento de criadouros da fauna silvestre e também ficou responsável pelo controle da apanha de espécimes da fauna silvestre, ovos e larvas destinadas à implantação de criadouros, pesquisa científica ou que estejam vinculados aos processos de manejo de fauna nas áreas licenciadas pelo Ceará.

Fonte: Governo do Estado do Ceará

Mais notícias

{module [427]}

{module [425]}

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.