Semsur nega maus-tratos a animais que estão no curral da Prefeitura de Natal

Semsur nega maus-tratos a animais que estão no curral da Prefeitura de Natal

Por Marcelo Lima

RN natal Curral-municipal-JA-11

Água, comida e um terreno razoavelmente limpo. Essa foi a condição dos animais do curral da Prefeitura de Natal constatada hoje pela manhã pela nossa equipe de reportagem. O local abriga cerca de 40 jumentos e cavalos apreendidos pelas ruas da cidade. Recentemente, imagens divulgadas em mídias sociais denunciaram um ambiente de total desprezo pelas condições de vida dos animais.

Depois da polêmica, as condições de acomodação dos animais melhoraram. Pelo menos aparentemente. Hoje pela manhã, os animais comiam e tinham água em abundância para beber. O acúmulo de fezes pelo terreno era mínimo. Segundo um funcionário do local, toda aquela área passara por uma limpeza no início da manhã. Os dejetos dos animais estavam recolhidos em uma caçamba. Outros cinco funcionários estavam em trabalho externo, colhendo capim para os animais segundo esse mesmo funcionário. No total, são 33 jumentos e oito cavalos, que perambulavam pelas ruas da cidade estão abrigados no local.

Mas não foi muito fácil entrar no local. A visita da nossa reportagem não se resumiu a essas constatações. Quando chegamos ao curral – localizado na rua Jerusalém, no bairro do Bom Pastor – dois funcionários estavam de pé do lado de fora do portão do curral. Após a apresentação da equipe e do objetivo da nossa visita, um dos servidores falou que só poderia abrir o portão com uma autorização por escrito do secretário de Serviços Urbanos de Natal, Raniere Barbosa, ou da secretária adjunta da Semsur, Fátima Lima.

O JORNAL DE HOJE entrou em contato com a secretaria responsável pelo curral. Como ente da administração pública, o órgão tem o dever de zelar pelos princípios constitucionais que o regem, como o da publicidade e transparência. Depois desse contato telefônico, a equipe de reportagem em campo percebeu quando os servidores receberam uma ligação telefônica.

Logo depois, eles entraram, passaram dez minutos lá dentro e só depois chamaram a equipe de reportagem para realizar o registro fotográfico do ambiente. “Os bichos estão comendo, com tanque de água cheio, o terreno tá limpo”, enfatizou um dos servidores. Pela brecha do portão, foi possível perceber que a comida foi colocada naquele instante da visita.

O JH esteve no local por volta das 10 horas da manhã. Mas segundo o próprio chefe de apreensão de animais da Semsur (Secretaria Municipal de Serviços Urbanos), Carlos Falcão, o horário normal para a alimentação desses animais é às 7 da manhã e no final da tarde.

Sobre as denúncias de maus-tratos, Falcão disse ser improcedente. “Foram fotos falsas e erradas”, disse. Além disso, ele falou que o registro que suscitou a denúncia das mídias sociais foi realizada no meio da tarde, fora do horário de alimentação dos animais. “Eles são alimentados no início da manhã, por volta das 7 horas, e no final da tarde orientado por uma zootecnista”, explicou Falcão.

Ainda segundo ele, um funcionário está à disposição para alimentar os animais durante o final de semana. A alimentação dos animais é composta por ração, feno e capim. Um veterinário da extinta Alimentar, fundação municipal, será relocado para a Semsur, uma vez que a secretaria não possui esse tipo de profissional no seu quadro.

A recuperação desses animais pode ser feita mediante à apresentação de documentos, assinatura de um termo de responsabilidade e o pagamento de uma taxa de R$ 39,94. “A lei garante a ele o resgate em até 72″, falou. Os animais também podem ser adotados. Caso nenhuma das duas situações aconteça, Falcão explicou que a Semsur mantém os animais no local.

REAÇÃO DE ONGS

Com a divulgação das imagens houve grande reação de organizações não-governamentais e coletivos que atuam na defesa de animais. Diante disso, a Prefeitura de Natal realizou ontem uma reunião com a Frente Parlamentar em Defesa dos Animais da Câmara Municipal de Natal e representantes das organizações.

Um dos pontos de pauta do grupo em defesa dos animais foi a atenção veterinária 24 horas no curral da Prefeitura de Natal. No entanto, a Prefeitura se comprometeu apenas com a presença de um veterinário uma vez por semana para verificar as condições dos animais.

Também houve acordo sobre a separação de machos e fêmeas por meio de uma cerca. Por enquanto, todos vivem livres no mesmo espaço. Os defensores dos animais também conseguiram que o poder público municipal se comprometesse em instalar um computador para registrar os animais e que as ONGs teriam livre acesso ao local. Na reunião, o Prefeito Carlos Eduardo Alves falou de problemas orçamentários, mas disse que determinaria às secretarias responsáveis, Semurb e Semsur, dariam atenção à situação.

Fonte: Jornal de Hoje 

Nota do Olhar Animal: Não tivemos acesso às fotos que geraram a polêmica, se algum internauta as tiver, por favor, indique-nos.

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.