Serviços de castração têm baixa procura em São João del Rey, MG

Em quatro dias, 121 cães e gatos foram castrados no segundo mutirão promovido pela Sociedade de Proteção aos Animais São Francisco de Assis em São João del-Rei. Desse número, 30 animais (15 de rua e 15 pertencentes a famílias beneficiadas pelo Programa Bolsa Família) receberam a cirurgia gratuitamente, financiada por verba pública. 

Embora com atendimento a 91 bichos de estimação por preços populares, o resultado foi inferior à meta da iniciativa que, segundo a presidente da associação, Mara Nogueira Souto, era de castrar 150 animais em uma semana. No entanto, não houve preenchimento das vagas. “Não recebemos a procura que esperávamos por parte da população. Por isso, só conseguimos fechar quatro dias de mutirão”, explicou.

E completou. “As pessoas cobram, dizendo que há muitos animais na rua abandonados. Aí, quando a gente traz um projeto assim, em que abrimos vagas para cães de rua e para a população carente, a procura é menor do que imaginamos”, contou. Segundo ela, a ação é muito relevante e já visa o futuro. “Daqui a três ou quatro anos sentiremos muito a diferença com as castrações”, completou.

A advogada da Sociedade, Leidiane Gouvêa, explicou que a seleção dos cães de rua para a castração veio de demandas da população. “Esses animais são chamados de cães comunitários. São aqueles que as pessoas cuidam nas ruas e pediram para castrar”, contou. E completou: “Essas pessoas que cuidam deles na rua são as mesmas que cuidam do pós-operatório”.

Futuro

A coordenação da Sociedade São Francisco de Assis adiantou que deverá haver um novo mutirão em junho. No mês de São João, porém, serão três dias de atividades. “A gente percebeu que não vale a pena um mutirão com muitos dias porque a gente não consegue o número desejado de atendimentos. Então, ele terá três dias. Um dia destinado a cães com verba pública e outro às castrações a preços populares”, explicou Leidiane. A quantidade de vagas oferecidas ainda não está definida. “Dependendo das finanças vamos castrar 30 ou 60 com verba pública”, adiantou.

Os beneficiários do Bolsa Família que não conseguiram vagas gratuitamente no segundo mutirão terão nova oportunidade. “Eles já estão cadastrados e serão chamadas em outras vezes. A maioria dos cães que estão na rua vem de pessoas que não têm condições de castrar seus animais domésticos. Por isso, buscamos atingir esse público de baixa renda.”, ressaltou Leidiane.

Para a advogada, cada animal castrado representa um grande avanço. “Apesar de as vagas não terem sido preenchidas, o mutirão foi muito positivo porque nós verificamos que com essa castração atingimos um número muito grande de cães sem raça definida. E estes são geralmente os cães vira-latas, que vão para a rua. Muitos deles são de grande porte que, se viessem a dar cria teriam cerca de dez filhotes”, concluiu.

As operações em cães e gatos do município são realizadas a partir de repasse mensal de R$2,5 mil cedidos pela Prefeitura à São Francisco de Assis. No caso das intervenções a preços populares, é cobrada uma taxa de R$100 por animal, três vezes menos que o preço convencional no mercado.

Fonte: Gazeta de São João del-Rei

Nota do Olhar Animal: O controle populacional de cães e gatos só será efetivo quando os serviços de castração forem totalmente gratuitos, independentemente da renda dos tutores, e quando estes forem preliminarmente conscientizados/sensibilizados para a importância da cirurgia. Fundamental também é facilitar acesso ao serviço, descentralizando as ações e permitindo que animais das diversas áreas das cidades possam ser castrados. Por fim, há que se focar na castração das fêmeas em atenção à lógica reprodutiva e à otimização dos recursos.

 

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.