Singapore Airlines proíbe ossos de leão como carga

Singapore Airlines proíbe ossos de leão como carga
Singapore Airlines diz que proibiu ossos de leão como carga em seus aviões. (Foto: Agence France Presse (AFP)

A Singapore Airlines disse no mês passado que parou de aceitar ossos de leão como carga depois que a transportadora foi destacada em um relatório por transportar as partes de animais da África do Sul.

Ativistas há muito pedem a proibição do comércio controverso de ossos de grandes felinos, que são procurados para uso em remédios e joias no sudeste da Ásia.

A Singapore Airlines foi a única transportadora a importar ossos de leões da África do Sul para o sudeste asiático no ano passado, segundo um relatório divulgado em julho pela organização sem fins lucrativos EMS Foundation e pelo grupo de direitos animais Ban Animal Trading.

Pelo menos 800 esqueletos de leões foram exportados com a benção do governo sul-africano em 2017, segundo o relatório, tornando-se o maior exportador mundial de ossos de leão.

A companhia aérea disse ao jornal Agence France Presse (AFP) que deixou de aceitar ossos de leão como carga, mas não disse quando a política entrou em vigor.

“A Singapore Airlines não aceitará o transporte de ossos de leão como carga após uma revisão que levou em conta as preocupações crescentes em todo o mundo”, disse a empresa em um e-mail.

A diretora da EMS Foundation, Michele Pickover, disse que sua organização havia enviado o relatório à companhia aérea e “apelou para que parassem imediatamente seu envolvimento neste comércio terrível”.

“Acredito que uma vez que eles foram informados sobre o que este comércio acarreta, tomaram a decisão correta e lógica de não o apoiar”, disse ela ao AFP.

A África do Sul envia ossos de leões para o sudeste da Ásia desde pelo menos 2008, e é provável que a Singapore Airlines os transportasse desde aquele ano, acrescentou Pickover.

Os ossos de leões e outras partes do corpo são muito procurados em partes do sudeste da Ásia, particularmente Laos, Tailândia e Vietnã, para uso em joias e por suas supostas propriedades medicinais.

No Vietnã, ossos de leões são cozidos e transformados em bálsamo, enquanto garras e dentes são usados como ornamentos corporais, segundo o relatório.

Enquanto o comércio de partes de corpos de leões selvagens é proibido, os tratados internacionais permitem a venda de partes retiradas de leões criados em cativeiro.

Tradução de Ana Carolina Figueiredo

Fonte: France 24

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.