Sistema de microchipagem é aplicado em cães e gatos capturados nas ruas em Araxá, MG

Sistema de microchipagem é aplicado em cães e gatos capturados nas ruas em Araxá, MG

Um novo sistema para identificar e “catalogar” cães e gatos de rua, começou a funcionar em Araxá. A Prefeitura divulgou nesta quarta-feira (2), que a Vigilância Ambiental do município aderiu ao sistema de microchipagem, uma ferramenta capaz de armazenar informações do tipo se o animal é castrado e se tem sequelas decorrentes de doença.

O microchip é implantado debaixo da pele do animal. O objetivo é fazer o controle populacional dos animais de rua da cidade, segundo explica a coordenadora da Vigilância Ambiental, Flávia Rios.

“Os cães e gatos que forem capturados nas ruas serão tratados, vacinados e microchipados. Se ele for capturado novamente, será possível saber todas essas informações. É importante ressaltar que a ferramenta vai trazer agilidade também para o serviço de captura porque as vezes a equipe recolhe um animal que já foi cadastrado enquanto outro que não foi continua solto, com o leitor do microchip é possível fazer essa checagem na rua, agilizando todo o trabalho”, destacou Flávia.

Castrações

O município também trabalha a castração como forma de prevenção e controle populacional dos animais de rua. Conforme ainda coordenadora da Vigilância, até agosto, o canil Mãos de Assis capturou 390 animais, encaminhou 107 para adoção e vai castrar mais 1,5 mil cães e gatos.

“A castração e a microchipagem são os estágios mais avançados no controle populacional e junto com eles, precisamos incentivar a adoção responsável com a educação da população. Não adianta castrar, microchipar e continuar na rua. As pessoas precisam adotar esses animais, para evitar que eles fiquem nas ruas. Os cães e gatos estarão castrados, não vão procriar, mas nas ruas ficam expostos e podem oferecer riscos para a população”, concluiu Flavia.

Em setembro a Prefeitura renovou o convênio com três clínicas da cidade para fazer a castração de 900 cães e 600 gatos. Os interessados em castrar animais de graça, devem se cadastrar com os Agentes de endemias, Agentes de saúde nas Estratégias Saúde da Família (ESF), na Vigilância Ambiental.

A pessoa fornece o endereço e identificação do proprietário, e também é feita uma visita técnica, porque o atendimento prioriza famílias que não têm condições de pagar pelo serviço.

Fonte: G1

Os comentários abaixo não expressam a opinião do Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.