Soprama recolhe assinaturas para pedir a abolição do trabalho de cavalos na Bolívia

Soprama recolhe assinaturas para pedir a abolição do trabalho de cavalos na Bolívia

A Sociedade Protetora dos Animais (Soprama), de Santa Cruz de la Sierra, coleta assinaturas para pedir ao conselho municipal a abolição do uso de trabalho equino na cidade.

Por Igor Ruiz Zelada / Tradução de Nelson Paim

Cerca de três mil cavalos são usados na cidade de Santa Cruz de la Sierra, na Bolívia, para desenvolver atividades como fretes, recolhimento de lixo ou de material de construção, sofrendo de maus-tratos devido à má alimentação e também pelos golpes que recebem.

Há duas semanas foi iniciada uma cruzada para coletar assinaturas para pedir ao Conselho Municipal que seja abolida esta forma de exploração animal e que em seu lugar sejam entregues motocicletas com carrocerias, mais conhecidas como motocars, para que os proprietários que possuem poucos recursos econômicos sejam auxiliados.

Sandro Ferñandez, do Soprama, pediu aos cidadãos que se unam e participem da petição. Para isso, foi instalado um posto permanente na Praça 24 de Septembre, onde já foram recolhidas 35 mil assinaturas, que serão entregues ao organismo deliberativo antes do dia 15 de agosto.

“As famílias que utilizam carroças vivem na extrema pobreza e por eles pretendemos que o Conselho nos escute e veja a forma de auxiliá-los garantindo financiamentos para adquirir a prazo os motocars e assim se garantirá a liberação do sofrimento animal”, disse Ferñandez.

Para conscientizar os cidadãos aos domingos pela noite são projetados vídeos e são feitas palestras na praça principal da cidade.

“Temos o apoio do Sindicato dos Transportadores 21 de Maio, porque muitos de seus associados sofreram acidentes com cavalos nos bairros mais distantes, e a Federación de Juntas Vecinales prometeu apoiar a mudança e a entrega de motocars aos carroceiros”, completou Ferñandez. 

Nota do Olhar Animal: A petição citada no título não é virtual. 

Fonte: El Deber

Mais notícias

{module [427]}

{module [425]}

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.