SP: Cadela rejeitada 3 dias após adoção por ‘chorar demais’ ganha novo lar

SP: Cadela rejeitada 3 dias após adoção por ‘chorar demais’ ganha novo lar

Filhote foi adotada em Tatuí (SP) com 4 meses; donos a retornaram a canil. Um a cada 10 cães é devolvido no local, estima veterinária Daniela Loureiro.

A cadela Amora, adotada com quatro meses e rejeitada pelos tutores depois de três dias porque “chorava demais”, encontrou um novo lar em Tatuí (SP). A telefonista Filomena Aparecida Soares se sensibilizou com a história da filhote e a levou para casa. “Amora era do canil, mas depois da adoção não quiseram mais. Quando a vi me apaixonei e quis para mim. Ela é dócil, meiga, um pouco medrosa, mas um ‘amorzinho’”, conta Filomena.

SP Tatui cadela adocao1

O animal nasceu nas ruas e foi levado com poucos dias ao canil. Ele é um exemplo dos casos de devolução de cães e que ocorre com certa frequência. “Aproximadamente 10% ou um a cada dez dos bichos adotados são devolvidos dias depois”, diz a veterinária Daniela Loureiro, que hoje é funcionária do Departamento Municipal de Meio Ambiente, responsável pelo canil.

No local atualmente são 60 cães cuidados pela equipe. Eles foram tirados das ruas em situação de abandono e de maus-tratos. No local recebem todos os cuidados como vacinação e castração, enquanto esperam por um dono.

Duas histórias curiosas são as do cão Ranz e da cadela Filó. O Ranz vem de Ranzinza e é o “vovô da turma”, tem 12 anos e “não pode ser adotado porque é o mascote do canil”, conta Daniela. Já a Filó está há dois meses no local e foi encontrada no meio da estrada sem movimento nas patas traseiras e é o único “animal deficiente” do espaço.

A veterinária do canil Thaís Bimbatti lembra que depois da adoção os animais passam a ser responsabilidade dos tutores: “Tem que ter em mente que o animal precisa ser vacinado, vermifugado e que se ficar doente precisa de cuidado. Não pode abandoná-lo depois.”

SP Tatui cadela adocao2

SP Tatui cadela adocao3

Assista ao vídeo clicando aqui.

Fonte: G1

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.