Suíços vão votar sobre importação de foie gras e peles de animais

Suíços vão votar sobre importação de foie gras e peles de animais
Quase todos os países europeus proíbem a alimentação por sonda de gansos e patos - Foto: Stefan Wemuth/AFP

Os suíços vão votar a favor ou contra a importação de foie gras e peles de animais, depois que uma associação de defesa dos animais conseguiu se reunir, nesta quinta-feira (28), assinaturas suficientes para organizar uma votação.

A Aliança Animal Suíça, que iniciou esta campanha, conseguiu encontrar 106.448 assinaturas contra a importação de fígado de pato ou ganso e 116.140 contra a entrada de peles de animais. Para organizar um referendo a nível nacional são permitidas 100.000 assinaturas.

A “gavagem”, técnica que consiste em alimentar patos e gansos à força através de sondas para fazer seu fígado crescer, é proibida na Suíça. Mas a importação de produtos que utilizam essa técnica é permitida.

A iniciativa quer proibir constitucionalmente a importação deste produto. A Suíça importa 200 toneladas de foie gras anualmente, denuncia a organização.

“Todos os anos, 400 mil patos e 12 mil gansos são mortos para responder especificamente à demanda do nosso país”, afirma.

“É hipócrita proibir os avicultores suíços de produzir foie gras sob pena de avaliações e, ao mesmo tempo, autorizar as deste produto”, acrescenta a aliança.

Quase todos os países europeus proíbem a alimentação por sonda de gansos e patos, com exceção de França, Hungria e Bulgária.

A segunda proposta da organização busca proibir a importação de produtos à base de peles de animais “fabricados em condições de crueldade para com os animais”.

Em meados de setembro, o Parlamento e o governo federal da Suíça rejeitaram a concessão da importação de foie gras.

Os deputados argumentaram que uma exclusão poderia gerar um turismo de compras na França, em detrimento das empresas suíças.

A Suíça, que tem um sistema de democracia direta, costuma organizar consultas populares sobre uma variedade de temas.

Fonte: Folha de Pernambuco

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.