Sul-africana Airlink combate contrabando de produtos de origem animal

Sul-africana Airlink combate contrabando de produtos de origem animal
Airlink anuncia combate ao contrabando de produtos de origem animal. AIRLINK - DIVULGAÇÃO

A Airlink, a companhia aérea regional privada da África Austral com grande operação na África do Sul, irá implementar um programa para toda a empresa envolvendo formação, novos processos e intervenções na cadeia de abastecimento para identificar e combater o comércio ilegal de vida selvagem.

O comércio ilegal de vida selvagem é avaliado entre US $ 50-150 bilhões (aproximadamente entre R$ 284 bilhões – R$ 12.4 trilhões na cotação atual) por ano e é um dos cinco crimes globais mais lucrativos. A matança e o comércio ilegal de animais selvagens é uma crise global, com espécies sendo caçadas até a extinção por causa de seus chifres, peles e dentes.

O programa, administrado pela Associação Internacional de Transporte Aéreo (IATA) e United for Wildlife (UFW), envolverá o treinamento de todo o pessoal da linha de frente da Airlink, incluindo tripulação de cabine, check-in, manuseio em terra e pessoal de carga em toda a rede da companhia aérea dos destinos domésticos da África do Sul e regionais da África Austral.

Além disso, a Airlink está revisando suas políticas e intervindo em toda a sua cadeia de abastecimento para introduzir medidas destinadas a impedir o flagelo, que é especialmente alto na África Austral, onde continua a destruir a diversidade biológica e dizimar espécies de animais em números surpreendentes. Aliado a isso, a Airlink também lançará uma campanha de conscientização do cliente para viajantes e remetentes de remessas de frete aéreo.

O programa marca a expansão do compromisso da Airlink de combater o comércio ilegal da vida selvagem sob a Declaração do Palácio de Buckingham de 2016 e como membro da Força-Tarefa de Transporte de Vida Selvagem Unido

“Airlink se posicionou contra o comércio ilegal de vida selvagem ao assinar a Declaração do Palácio de Buckingham de 2016 e se tornar membro da Força-Tarefa do United for Wildlife Transport. Agora estamos levando esse compromisso ainda mais longe, implementando as melhores práticas globais desenvolvidas no programa IATA / UFW Illegal Wildlife Trade ”, disse Rodger Foster, CEO e diretor administrativo da Airlink.

O treinamento, que começará neste mês, será ministrado por meio de uma série de e-módulos, cada um com cerca de uma hora de duração, cobrindo uma introdução ao comércio, o que procurar, como relatá-lo e como lidar com produtos da vida selvagem. Cursos de atualização serão oferecidos anualmente.

“Nossa rede de rotas em expansão facilita o comércio e cria novas oportunidades econômicas em toda a África do Sul, mas com esse crescimento vem a responsabilidade de proteger e preservar a incrível biodiversidade e vida selvagem que torna a África do Sul tão única. A Airlink tem orgulho de estar na vanguarda dessa luta para impedir o comércio ilegal de animais selvagens ”, acrescentou Foster.

A certificação da implementação do programa e conclusão dos módulos de treinamento de Comércio Ilegal de Vida Selvagem está sujeita a uma auditoria independente e dará direito à Airlink de exibir um círculo especial como uma marca pública, significando seu compromisso em impedir o tráfico ilícito de vida selvagem.

A Airlink tem 29 anos de existência e opera com 50 aeronaves para 45 destinos no continente africano, além da Ilha de Santa Helena.

Por Luiz Fara Monteiro

Fonte: R7

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.