Tamanduá-bandeira capturado ferido depois de ataque de cães em Uberlândia, MG

Tamanduá-bandeira capturado ferido depois de ataque de cães em Uberlândia, MG

MG Uberlandia tamandua bandeira resgatado ferido ataque caes1Espécie em extinção estava em mata na área urbana da cidade. Militares da Polícia de Meio Ambiente fizeram a contenção do animal que foi levado para o hospital veterinário da Universidade Federal de Uberlândia.

Militares da Polícia de Meio Ambiente de Uberlândia, Triângulo Mineiro, foram chamados para capturarem um tamanduá-bandeira, neste domingo, que estava em área urbana e ferido, depois de ataques de cães domésticos. O animal silvestre estava num terreno no Bairro Morada dos Pássaros, Leste da cidade.

De acordo com o sargento Eduardo Venâncio, da PMMA, o tamanduá apresentava vários ferimentos e teve que ser levado para o setor de animais silvestres do hospital veterinário da Universidade Federal de Uberlândia (UFU), para tratamento.

O tamanduá foi avaliado pela equipe especializada de veterinários, para em seguida dá início ao tratamento. A expectativa é de breve recuperação, para que ele retorne ao seu habitat.

MG Uberlandia tamandua bandeira resgatado ferido ataque caes2A espécie é um dos símbolos do cerrado, protegido pela legislação ambiental brasileira, que corre risco de extinção.

“Infelizmente, os animais silvestres estão migrando para os centros urbanos em busca de água, alimento e abrigo. Isso ocorre, devido a destruição de seu habitat, provocado pelo crescimento urbano e a expansão da atividade agrícola vizinhas às áreas de reserva”, destacou o sargento Eduardo.

Tamanduá-mirim se recupera e é solto em reserva florestal

Neste domingo, também os militares realizaram a soltura de um de tamanduá-mirim, que havia sido resgatado com ferimentos, há mais de um mês, e foi tratado pelos veterinários da UFU. Ele foi reintroduzido em seu habitat, numa reserva florestal distante 20 quilômetros da área urbana de Uberlândia, onde vai encontrar bastante água e comida.

Fonte: Estado de Minas 

 

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.