‘Tartaruga eletrônica’ será usada para evitar ataques de tubarão no Recife, PE

‘Tartaruga eletrônica’ será usada para evitar ataques de tubarão no Recife, PE

Por Aliny Gama

PE recife tartarugatubarao1

Dispositivo que imita uma tartaruga marinha deverá ser usado em pesquisa para reduzir ataques de tubarão no Recife (PE). O equipamento imita sons do réptil e atrairá tubarões que estejam próximos de banhistas.

Em Pernambuco, segundo o Cemit (Comitê de Monitoramento de Incidentes com Tubarão), desde 1992, 60 pessoas já foram vítimas de ataques de tubarão.

O litoral do Estado tem 32 km de áreas restritas para banho –que vão da praia do Fortim do Queijo, em Olinda, até a praia de Itapuama, em Cabo de Santo Agostinho, região metropolitana do Recife.

A AST (Armadilha Seletiva para Tubarões), como é chamada a tartaruga eletrônica, foi desenvolvida pelo engenheiro florestal Fernando Encarnação, que tem mestrado em energia nuclear e doutorado em física pela USP (Universidade de São Paulo).

O dispositivo foi criado entre 1994 e 1998, passou por fase de testes e está pronto para ser usado na pesquisa que vai descobrir os hábitos dos tubarões que passam pelo litoral de Pernambuco.

Como funciona

A tartaruga eletrônica emite sons de respiração e de mastigamento semelhantes aos das tartarugas marinhas, presa natural do tubarão. O equipamento tem peças feitas em inox e mede 1,30 m de comprimento e 80 cm de largura.

A AST é instalada no mar, em área usada por banhistas. O dispositivo fica ancorado, flutua sobre a água e faz movimentos parecidos com os do réptil.

“Quando o tubarão percebe o equipamento, olhando de baixo para cima, ele esquece qualquer outro objetivo e não atacará os banhistas, pois a tartaruga marinha é uma refeição que ele não pode deixar passar”, disse o engenheiro.

A captura do tubarão será feita por meio da mordida dele no equipamento. A arcada dentária ficará presa logo no primeiro ataque. Ao detectar a presença do animal, o equipamento vai emitir sinais para a equipe de monitoramento. Uma bandeira vermelha subirá para informar aos banhistas que há presença de tubarão na área.

A equipe se deslocará até o local em uma espécie de jangada e em moto aquática para rebocar o equipamento e o animal até a praia. Ao mesmo tempo, o Corpo de Bombeiros e a Polícia Militar serão avisados para reforçar a segurança para que banhistas não entrem no mar naquela área. Ao final do procedimento, o animal será liberado.

“A gente cobre os olhos do tubarão, prende a cauda e ele fica superdócil. Para mantê-lo vivo, injetamos uma mangueira na boca do animal com água e oxigênio enquanto colocamos o geoposicionador na pele e injetamos o piercing identificador. O tubarão será solto no mesmo local e na mesma profundidade em que foi capturado”, afirmou Encarnação.

O estudo prevê a instalação de cinco equipamentos, porém com número desejável de dez para que cubra área de 1 km de praia. A equipe é formada por biólogo, engenheiro de pesca e oceanógrafos. O equipamento vem sendo testado, desde 2004, nas praias de Boa Viagem e de Piedade.

Fonte: Notícias UOL 

Nota do Olhar Animal: Intervenção que poupas vidas: as dos banhistas e as dos tubarões, que mais comumente são mortos pelo temor de que ataquem humanos. 

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.