Tartaruga-marinha com anzol preso em seu pescoço encontra as pessoas perfeitas para salvarem sua vida

Tartaruga-marinha com anzol preso em seu pescoço encontra as pessoas perfeitas para salvarem sua vida
Fotos: Instagram/Feu Marinho

Quando o músico brasileiro Feu Marinho e seus amigos decidiram passar o dia na praia no final de janeiro, eles nunca imaginaram que acabariam salvando uma vida.

Mas foi exatamente isso que eles fizeram.

O grupo planejava fazer mergulho livre na ilha de Fernando de Noronha, um local comum de reprodução para tartarugas-marinhas verdes. Naquele dia, entretanto, alguns funcionários do grupo de conservação ICMBio estavam fazendo um monitoramento de rotina de ameaças ambientais. Então, quando eles viram uma boia de pesca isolada boiando a certa distância, Marinho e seus amigos se voluntariaram para ajudar os funcionários a retirar essa boia da água.

Foi somente quando eles nadaram para olhar melhor que eles souberam a verdade desoladora.

O que, ou melhor, quem, o grupo descobriu foi uma grande tartaruga marinha arrastando a boia. Para piorar as coisas, a tartaruga não estava simplesmente presa.

“Ela estava ligada à boia por uma corrente que no final tinha um anzol”, Marinho contou ao The Dodo. “O anzol estava preso no pescoço da tartaruga. Nós mergulhadores e a equipe do ICMBio começamos o procedimento de resgate”.

Entretanto, salvar a tartaruga de sua triste condição não seria fácil.

Durante os próximos 40 minutos, o grupo lutou para estabilizar a tartaruga tempo suficiente para que o anzol em seu pescoço pudesse ser removido gentilmente sem causar mais nenhuma lesão.

Quando esses esforços não deram certo, os resgatistas decidiram carregar a tartaruga para a beira da praia e tentar tirar o anzol lá.

Não está claro quanto tempo a tartaruga ficou presa à boia, incapaz de mergulhar na água ou nadar e comer normalmente, mas ela estava claramente exausta.

“Todos estávamos muito tensos com a possibilidade de não conseguir salvar sua vida”, disse Marinho.

Felizmente, uma vez na areia da praia, remover o anzol foi fácil.

E, com isso, a ameaça à vida da tartaruga foi embora.

Em seguida, a tartaruga, sem dúvida aliviada, foi escoltada de volta à água. Pela primeira vez desde que ficou presa, ela finalmente podia nadar livremente de novo.

O sentimento de ter salvado a vida da tartaruga foi de pura alegria, mas também marcado com remorso pelo fato de que ela quase morreu por causa da poluição no oceano.

“Saber que nós como humanos causamos isto significa que ajudar não foi um ato de heroísmo”, Marinho disse. “Nós estávamos corrigindo um erro. Mas, no fim das contas, todos nós nos abraçamos e comemoramos. Esse era um animal muito especial”.

Infelizmente, nem todas as criaturas que se deparam com o perigoso lixo no oceano tem tanta sorte. A cada ano, milhares de animais marinhos morrem após ficarem presos em cordas e redes deixadas por pescadores, ao consumir plásticos, ou ficarem presos em todo tipo de lixo descartado incorretamente por pessoas todos os dias.

Pelo menos neste caso, aqueles amigos na praia naquele dia deixaram o oceano um pouco mais seguro do que quando eles chegaram.

Por Stephen Messenger / Tradução de Alice Wehrle Gomide

Fonte: The Dodo 

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.