Tartaruga-marinha é encontrada expelindo lixo na Praia de Búzios, RJ

Um filhote de tartaruga-marinha foi resgatado nesta terça-feira (2) em estado debilitado devido a ingestão de lixo, na Praia de Búzios, localizada no município de Nísia Floresta. A tartaruga foi encontrada por moradores da cidade do litoral sul potiguar.

O animal da espécie Caretta caretta, popularmente conhecida como “Cabeçuda”, estava expelindo pequenos fragmentos de plástico pela cloaca quando foi capturado por biólogos do Projeto Cetáceos da Costa Branca, da Universidade do Estado (UERN). O chamado foi emitido pela ONG Oceânica.

O filhote possui nove centímetros de comprimento e pesa 60 gramas. O que chamou a atenção dos pesquisadores do Cetáceos da Costa Branca foi a presença de lixo sendo eliminado pelo animal, que estava desidratado. De acordo com os pesquisadores, o caso é inédito no RN e raro no mundo.

“Após o exame clínico, foi verificado pelos médicos veterinários Radan Elvis e Alessandra Salles a presença de plástico rígido na cloaca do animal. Em seguida foi realizado o procedimento de remoção e logo após encaminhado para a realização do exame radiográfico, no Hospital Veterinário de Natal (HVN). Após o exame verificou-se a presença de gases o que indica a presença de lixo no trato gastrointestinal. Entretanto, após o início do tratamento o animal encontra-se mais ativo”, disse Simone Almeida, bióloga e professora da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN).

O animal encontra-se sob cuidados veterinários e ainda corre risco de morrer. As tartarugas estão dentre os animais marinhos que mais sofrem com a ingestão de lixo jogado ao mar. De acordo com as equipes do Cetáceos, que atuam em todo o estado com pesquisas e reabilitações de animais marinhos, a ingestão de lixo é um dos principais causadores de mortes em animais marinhos.

No Brasil todas as espécies de tartarugas-marinhas estão na lista de espécies ameaçadas de extinção do Ministério do Meio Ambiente (MMA) e a tartaruga Cabeçuda é classificada como “Em perigo”.

Fonte: OP9

Os comentários abaixo não expressam a opinião do Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.