Animal passará por processo de reconstrução do casco no Cetas de Cubatão (SP) — Foto: Arquivo pessoal/Cristian Negrão

Tartaruga que sobreviveu após ser atropelada ganhará novo casco

Uma tartaruga-tigre-d’água foi salva por um moradora de Ilha Comprida, no litoral paulista e encaminhada para tratamento após ser atropelada e ter parte do casco destruído. Ferido, o animal foi encontrado em uma avenida e começa a passar pelos procedimentos para reconstrução do casco na próxima sexta-feira (26).

VÍDEO: Tartaruga teve parte do caco destruído após ser atropelada em Ilha Comprida, SP

O animal foi encontrado na Avenida Candapuí na última quarta-feira (17). A moradora Isabelle Xavier, ao ver os ferimentos do animal, providenciou atendimento veterinário e a medicação orientada para a melhora do bicho. Logo após socorrer a tartaruga, ela acionou a ONG Amigos do Mar, responsável pelo atendimento especializado para animais marinhos na região.

Segundo o técnico ambiental e florestal da prefeitura e voluntário da ONG Amigos do Mar, Cristian Negrão, a tartaruga é natural de água doce e na cidade há um rio chamado Candapuí, que corta o município e passa pela avenida em que o animal foi encontrado.

De acordo com ele, a tartaruga é macho e tem dois anos e meio. “Ela saiu do rio e algum carro passou por cima, acertando dois lados do casco”. Após chegar até a ONG, a tartaruga foi encaminhada para viver na fonte da escola Meu Recanto, sendo monitorada 24 horas e alimentada por equipe responsável. De acordo com Cristian, no dia 17, outra tartaruga adulta, fêmea e também Tigre D’Água, foi encontrada na mesma avenida e levada até eles. Sem ferimentos, ela também está vivendo na fonte da escola.

Conscientização

O voluntário da ONG Amigos do Mar relata que a escola em que vivem os animais tem aproximadamente 650 crianças. De acordo com ele, essa vivência está sendo muito importante para uma conscientização ambiental.

“O mais importante é que também estamos promovendo esse envolvimento da escola e dos alunos, orientado que um pequeno lixo que eles jogam na rua pode afetar a vida marinha”, explica. De acordo com ele, a ação busca sensibilizar sobre a importância da educação ambiental. “Queremos mostrar a importância do respeito à vida, não só humana, mas também animal”, acrescenta.

Após a reconstituição do casco, o animal voltará para a escola e será promovida uma palestra com os alunos, segundo Cristian. O objetivo é reforçar os cuidados e preservação com a vida marinha, além disso, as crianças escolherão um nome para as duas tartarugas.

VÍDEO: Tartarugas estão sendo cuidadas em fonte de escola em Ilha Comprida, SP

Reconstrução do casco

A tartaruga passará pela reconstituição do casco no Centro de Triagem de Animais Silvestres (Cetas), em Cubatão (SP). O médico veterinário Lucas Porto explica que o animal, primeiro, terá o estado de saúde avaliado.

“Avaliarei se durante a fratura do casco não teve comprometimento de nenhum órgão do animal e, a partir disso, trabalharei nos procedimentos da reconstituição. Esses procedimentos iniciais são muito importantes para garantir uma reconstituição segura e eficaz”, explica.

Segundo o especialista, o material utilizado na reconstrução variará de acordo com as necessidades do animal, podendo ser de resina, impressão 3D, entre outros materiais, todos específicos para a reconstrução e que não atrapalham a vida da tartaruga.

Fonte: G1

Os comentários abaixo não expressam a opinião do Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.