Tartarugas, arraias e peixes são encontrados mortos em rede de pesca ilegal em Vitória, ES

Tartarugas, arraias e peixes são encontrados mortos em rede de pesca ilegal em Vitória, ES
Foto: Divulgação/Projeto Pegada

Uma rede de pesca ilegal cheia de animais mortos foi encontrada por ambientalistas na Praia de Camburi, em Vitória, na manhã desta quinta-feira (12). O grupo encontrou as tartarugas, arraias e peixes sem vida quando praticava canoa havaiana, a cerca distância da costa. Conforme a Lei nº 9.605/98, utilizar redes de arrasto é crime ambiental.

A rede estava montada em uma região conhecida como Baía das Tartarugas, que vai desde o início da Praia de Camburi até a Terceira Ponte.

Ambientalistas encontraram os animais mortos em rede enquanto praticavam canoa havaiana. — Foto: Divulgação/Projeto Pegada

“Foi uma sensação de tristeza. O pessoal da canoagem havaiana passou pra gente também sobre a tristeza que eles ficavam, de ter aquele animal morto nas mãos, um animal que quase entrou em extinção, um ser vivo que é pré-histórico. Realmente é muito triste”, opinou o ambientalista João Guilherme Damm.

A Baía das Tartarugas é a primeira área de proteção ambiental marinha de Vitória. Ganhou esse nome em homenagem aos animais que constantemente vistos na área, de extrema importância para o meio ambiente, mas que sofrem com a ação do homem.

“Infelizmente isso acontece todos os dias, mas é estritamente proibido rede de espera e rede de arrasto dentro de uma área de proteção ambiental. O problema da rede de arrasto é que ela mexe com o fundo todo, acaba com crustáceos, com moluscos e até mesmo peixes pequenos”, falou João Guilherme Damm.

Cerca de 15 tartarugas estavam presas na rede. Cinco ainda estavam vivas quando foram encontradas. Segundo os ambientalistas, duas foram soltas na água na hora, porque estavam em boas condições, mas as outras três foram levadas para o Centro de Reabilitação de Animais Marinhos.

Uma das três tartarugas encontradas vivas, em Vitória. — Foto: Divulgação/Projeto Pegada

Elas vão ficar em observação, pois têm sinais de afogamento e estão sendo medicadas. Já os animais mortos vão passar por exames pra saber o que causou as mortes.

Fiscalização

A reportagem ouviu vários órgãos sobre o problema. A Polícia Militar Ambiental disse que, como o local é uma área de proteção definida pelo município, a responsabilidade é da Secretaria Municipal do Meio Ambiente.

O secretário de Meio Ambiente de Vitória, Luiz Emanuel Zouain, garante que existe fiscalização e quem for pego instalando redes de arrasto pode ser preso.

Arraias e peixes encontrados mortos em redes de pesca em Vitória. — Foto: Divulgação/Projeto Pegada

“A legislação prevê hoje multas que variam de R$ 700 a R$ 100 mil. Para se ter uma ideia, só nesse ano nós apreendemos mais de 15 mil metros de rede na nossa costa. Isso com o auxílio, muitas vezes, da Polícia Ambiental e da Capitania dos Portos, do Ibama, da Polícia Federal”, disse.

Já o Instituto Estadual de Meio Ambiente (Iema), órgão estadual, informou que a fiscalização de atividades pesqueiras e crimes ambientais é de competência federal, ou seja, cabe ao Ibama a fiscalização.

Procuramos o Ibama, que explicou que a fiscalização é feita de forma conjunta com os diversos órgãos de proteção ambiental. Eles fazem ações planejadas ou são acionados por denúncias. Quem flagrar uma situação dessas pode ligar pro 181, Disque-denúncia.

Por Fábio Linhares

Fonte: G1

Os peixes: uma sensibilidade fora do alcance do pescador

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.