Tartarugas e pinguins são encontrados mortos em praias do litoral do Paraná

Tartarugas e pinguins são encontrados mortos em praias do litoral do Paraná
Animais marinhos foram encontrados mortos em praias do Paraná neste domingo (05). Foto: Eloá Cruz/Tribuna do Paraná

Vários animais marinhos foram encontrados mortos na manhã deste domingo (05) nas praias do litoral do Paraná. Tartarugas e pinguins foram recolhidos pelas equipes do Laboratório de Ecologia e Conservação de Mamíferos e Répteis Marinhos (LEC), do Centro de Estudos do Mar da Universidade Federal do Paraná (UFPR). A quantidade e a motivo das mortes ainda não foram confirmados, mas acredita-se que vento dos últimos dias esteja levando o corpo dos animais já mortos para a areia.

No Balneário Gaivotas, em Matinhos, duas tartarugas e um pinguim foram encontrados pelos turistas. Segundo a bióloga Camila Domit, coordenadora do LEC, a quantidade de chamadas está sendo intensa devido aos encalhes e as pessoas precisam respeitar quem está trabalhando.

“A gente está tendo problemas com turistas que estão alcoolizados e tentam conter a equipe. As pessoas precisam ser mais tranquilas com quem está trabalhando e está tentando dar conta da quantidade de animais que encalhou. É preciso respeitar, pois muitos estão sem máscara de proteção contra a covid-19 e ficam amontadas próximo ao carro da equipe. Estamos assustados com isso também”, disse Camila em entrevista para a Tribuna do Paraná.

Caso você encontre algum animal marinho, vivo ou morto, é importante acionar o LEC-UFPR, pelo telefone 0800-642-3341. Lembrando que é importante não manipular o animal e manter uma distância do corpo.

Causa da morte indefinida

As causas das mortes destes animais ainda não puderam ser definidas, pois é preciso fazer uma análise detalhada. No entanto, há alguns que são encontrados já em fase adiantada de decomposição, o que impede a autópsia. “Não é possível definir o motivo da morte, pois é preciso fazer a análise individualmente, apesar que, grande parte estão bem decompostos. Tivemos nos últimos dois dias muito vento e pode ser que tudo que estava morto no mar tenha vindo para a areia. No fim do dia, faremos um balanço para saber o número exato”, completou Camila.

Por Gustavo Marques

Fonte: Tribuna do Paraná

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.