Tartarugas são salvas em Antonina (PR) e moradores denunciam crime ambiental

Tartarugas são salvas em Antonina (PR) e moradores denunciam crime ambiental
Animais foram retirados do manguezal por moradores (Fotos: Jorge Prado/Colaboração)

Duas tartarugas foram resgatadas por um morador de Antonina, no Litoral do Paraná, na tarde de domingo (18). De acordo com testemunhas, um pescador trouxe os animais em seu barco e os abandonou perto da costa, em uma área de mangue. Ao ver o sofrimento das tartarugas que estavam atolando e quase não conseguiam se mexer, um morador da região as levou de volta ao mar, porém, uma delas estava bastante debilitada e morreu antes de ser libertada.

“Cansamos de cortar as redes e soltar os animais, seja tartaruga, boto ou arraia. Peixes pequenos também são soltos. Já ajudei a salvar esses animais”, conta José Lourenço Pereira, responsável pelo salvamento e que mora e trabalho em Antonina há 18 anos. “O pescador que recolhê-los ou deixá-los morrer deve ser punido. Eles costumam vir até perto da costa para dar cria e vão embora. Já vi alguns pescadores matando, mas não pude fazer nada”.

Segundo quem vive na região, o abandono das tartarugas apenas um expõe um problema muito maior no município. “A fiscalização é que nunca dá as caras. Antonina está abandonada. Acontece pesca predatória e ninguém está tomando providências”, reclamam outro morador, que pediu para não ter o nome divulgado. “Aqui o pessoal rouba palmito, assalta residência e ninguém vem para nos proteger. Crime ambiental é comum. Os pescadores jogam tartaruga, arraia perto da costa que depois morrem e os pássaros aparecem para comer a carcaça”.

Lei ambiental

Promover distúrbio na rotina ou no ambiente em que vivem animais selvagens é considerado crime ambiental, previsto na Lei nº 9605 de 12 de fevereiro de 1998. A legislação prevê sanções e penas que vão da detenção de um a três anos, mais multa, para captura, matança, coleta de ovos e distúrbios de habitat da fauna silvestre.

Por Jadson André

Fonte: Gazeta do Povo

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.