‘Tem muito medo ainda’, diz protetora sobre cadela agredida em Ribeirão Preto, SP

‘Tem muito medo ainda’, diz protetora sobre cadela agredida em Ribeirão Preto, SP
Homem agride cachorro com pedaço de mangueira de jardim em Ribeirão Preto, SP — Foto: Divulgação

Resgatada após sofrer agressões com uma mangueira de jardim na zona Norte de Ribeirão Preto (SP), a cadela Honda, da raça pastor alemão, está sob os cuidados de uma ONG de proteção animal. A todo instante recebe cuidados para superar os traumas causados pelos maus-tratos.

Vídeo: Homem que espancou cachorra é liberado pela Justiça em Ribeirão Preto, SP

Embora seja dócil e brincalhona, ainda apresenta alguns receios, segundo a protetora dos animais Amanda Gonçalves, que cuida de Honda desde quarta-feira (9).

“Ela se assusta um pouco, tem muito medo ainda, quando a gente pega a coleira ela dá uma encolhida. Ela se assusta, morre de medo, pensa que é a mangueira ou alguma coisa parecida”, afirma.

Honda tem dois anos e foi resgatada pela Polícia Militar na casa onde vivia após os vizinhos denunciarem as agressões. Segundo Amanda, a expectativa é de que a cadela passe por exames, seja castrada e vacinada.

“A gente não vai doar a Ronda enquanto ela não estiver bem. Provavelmente ela vai ficar com alguma de nós [da ONG]. A gente ama ela, e ela tem certos traumas, vai ter que passar por psicólogo de animais. Ela vem sofrendo há muito tempo”, aponta.

Honda está sob os cuidados de uma ONG em Ribeirão Preto (SP) — Foto: Reprodução/EPTV

Liberdade provisória
 
Na quinta-feira (10), o Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP) concedeu a liberdade provisória a Thiago Antônio de Barros Rodrigues, que havia sido preso em flagrante suspeito de agredir a cadela com um pedaço de mangueira. Ele aparece em vídeos gravados por vizinhos batendo em Honda.

Segundo a Polícia Militar, ao ser abordado, o homem admitiu ser ele nas imagens e alegou que bateu na cadela com a intenção de educá-la.

De acordo com o TJ, a soltura ocorreu após ele se comprometer a cumprir as medidas cautelares e a submeter o animal a uma avaliação médico veterinária.

Fonte: G1

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.