Templo Gadhimai desmente a proibição de sacrifício de animais no Nepal

Templo Gadhimai desmente a proibição de sacrifício de animais no Nepal

Por Praveen Kumar Yadav e Ritesh Tripathi / Tradução de ​Thaís Torres

NEPAL sacrificio cb0a12f8636c89eec402e9502addf649 L

O templo Gadhimai desmentiu as notícias dos meios de comunicações internacionais desta terça-feira (28) que alegaram que o templo concordou em parar com o sacrifício de animais durante o festival Gadhimai. “Nós não fizemos qualquer declaração sobre parar o sacrifício de animais durante o festival”, disse Ram Chandra Sah, presidente do Templo, para o jornal Republica.

Na terça-feira o Times of India citou Sah na notícia de que o templo Gadhimai tinha declarado formalmente o fim do sacrifício de animais.
Da mesma forma o noticiário AFP citou Motilal Kushwaha, secretário do Templo, ao informar que a autoridade tinha decidido parar completamente com a prática do sacrifício animal.

No entanto, o presidente Sah expressou surpresa a respeito dos relatos da mídia. Ele ainda esclareceu que o Templo não incentiva os devotos a sacrificar os animais, mas apenas gerencia o evento. “Nós nunca pedimos aos devotos que realizem o sacrifício de animais”, disse ao Republica.

O festival Gadhimai, realizado a cada cinco anos desde os últimos três séculos, é o maior evento de sacrifício de animais do mundo e ocorre em Bariyarpur VDC no distrito de Bara.

Milhares de animais são sacrificados como parte do ritual destinado a agradar à divindade, Gadhimai. Ativistas do bem-estar animal em todo o mundo, incluindo a Índia e Nepal, que têm protestado contra o massacre dos animais no festival Gadhimai, saudaram a notícia de terça-feira.

Centenas de milhares de peregrinos hindus do Nepal e na vizinha Índia descem até Bariyarpur, em Bara, para observar o festival Gadhimai.

Cerca de meio milhão de búfalos, cabras, galinhas e outros animais foram sacrificados no festival Gadhimai 2009, número que reduziu significativamente no ano passado com a crescente pressão dos ativistas em todo o mundo.

Fonte: My Republica

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.