“Terrível”: caso de um porco de estimação sequestrado para forjar caça, no Havaí

“Terrível”: caso de um porco de estimação sequestrado para forjar caça, no Havaí
Sarah Haynes, gerente do Kitty Charm Farm em Ha'ikû, se importa com "Eddie", um porco domesticado, supostamente roubado e morto para fraudar a entrada em um concurso de caça ao porco em Makawao. Os supostos perpetradores venceram o primeiro lugar com o porco de 250 libras e receberam um prêmio de US$ 1.000. A polícia de Maui confirmou hoje que o caso está sendo investigado. Tela capturada de postagem no Facebook da Kitty Charm Farm

Criminosos sequestraram “Eddie”, um bem alimentado e amado porco domesticado, de um santuário em Há’iku, em 11 de maio, de acordo com uma postagem de Sarah Haynes, operadora da Fazenda Kitty Charm.

Ela disse que os sequestradores falsificaram um vídeo no Instagram deles mesmos “caçando-o”, depois o mataram e o destruíram. Em pouco tempo, eles inscreveram o animal morto de 250 libras em uma grande competição de caça selvagem em Makawao, vencendo o primeiro lugar, ganhando um prêmio de US$ 1.000, em dinheiro, de acordo com as postagens nas redes sociais de Haynes.

De acordo com as postagens dela, a polícia está ciente do que aconteceu, identificou os suspeitos e tem uma “enorme quantidade de evidências”.

“Eles parecem estar levando este caso muito a sério”, ela disse.

O Departamento de Polícia de Maui confirmou que o caso está sendo investigado. A Maui Humane Society relatou estar a par da situação.

Um amigo de Haynes, Cody Stewart, disse que Eddie era amigável, mesmo com estranhos, e “era treinado para amar as crianças, latir como um cachorro e apertar as mãos”.

Não necessariamente um fã de porcos, Stewart disse: “Eddie aqueceu meu coração em relação aos porcos. Eddie era um animal conhecido e amado… Todo mundo o amava”.

"Edddie" foi um animal resgatado treinado para amar as crianças, latir como um cachorro e apertar as mãos. Sarah Haynes, gerente do Kitty Charm Farm em Ha'ikû, disse em uma postagem no Facebook que seu amado animal de estimação trouxe para ela muita alegria. "Eu sinto sua falta terrivelmente". Tela capturada de postagem no Facebook da Kitty Charm Farm
“Edddie” foi um animal resgatado treinado para amar as crianças, latir como um cachorro e apertar as mãos. Sarah Haynes, gerente do Kitty Charm Farm em Ha’ikû, disse em uma postagem no Facebook que seu amado animal de estimação trouxe para ela muita alegria. “Eu sinto sua falta terrivelmente”. Tela capturada de postagem no Facebook da Kitty Charm Farm

Haynes recontou o que aconteceu em uma postagem do FACEBOOK, dizendo que dois criminosos invadiram a propriedade do santuário, cortaram uma cerca de um chiqueiro e capturaram Eddie.

“É óbvio que ele é um animal de estimação querido”, disse ela. “Ele tem um enorme celeiro azul brilhante e uma piscina”.

Um dos perpetradores já confessou, ela disse. Ele admitiu que “eles dois o amarraram e o arrastaram – vivo – para fora do buraco na nossa cerca e para dentro da ravina. Eles então usaram Eddie para encenar um vídeo de uma falsa caçada com seus cães. Eles o mataram, estriparam e o transportaram para um concurso em Makawao que eles tinham entrado na noite anterior. Eles o penduraram em uma árvore para pesá-lo e com peso de 250 libras, eles ganharam US$ 1.000 pelo maior porco caçado. Então, ao final, um deles postou vídeos de autocongratulações e fotos do que eles fizeram com Eddie no Instagram. Vídeos que tive que assistir para identificá-lo.

Stewart disse que a entrada dos ladrões de Eddie no concurso de caça ao porco levantou algumas suspeitas quando outros participantes notaram que alguma coisa estava errada. Por exemplo, o porco tinha sido castrado e estava muito mais pesado do que os porcos selvagens normalmente inscritos no concurso, ele disse.

Além disso, a história do “caçador de porco” começou a desvendar-se quando os dois “concorrentes” não conseguiram carregar sozinhos o porco falecido, do caminhão deles até a balança de pesagem, ele disse. No entanto, eles alegaram tê-lo matado e o retirado de dentro do vale por conta própria. Stewart estimou que os ladrões tinham entre 17 e 21 anos de idade e acredita-se que tenham diversas identidades e praticam kick boxing.

Stewart disse que os ladrões gravaram um vídeo atirando na cabeça do porco e aparentemente precisaram de ajuda de cúmplices para retirá-lo do vale onde ele tinha sido abatido. Um dos participantes era um policial, que pode dizer que a história dos “caçadores” não fazia sentido, ele disse. Mesmo assim, os participantes venceram, dividiram o prêmio em dinheiro e partiram.

De alguma forma, eles foram rastreados e eventualmente admitiram em uma conversa telefônica gravada o que aconteceu, disse Stewart.

A morte de Eddie foi um fim violento e cruel para o que começou como um objeto atormentado em um treinamento de caça aos porcos, disse Haynes.

“Nós o adotamos quando era jovem de um resgate de porcos local”, ela disse. “Suspeitou-se que ele foi usado para treinar cães de caça, pois ele foi encontrado correndo por KÎhei com cicatrizes e queimaduras de cordas. Nós o adotamos em nosso santuário para que ele nunca mais tivesse que passar por algo assim novamente. Ele foi ensinado a confiar em humanos e se tornou um porco dócil – proporcionando conforto para tantos visitantes do Santuário. Ele foi meu precioso animal de estimação”.

Haynes disse que não é o momento para um debate público sobre a caça aos porcos, embora ela não apoie a matança de animais.

“Foram os outros caçadores que me avisaram do que aconteceu com Eddie”, ela disse no Facebook. “Eles estão chocados por este comportamento e tem cooperado totalmente com a polícia. Caçadores têm um código de conduta. Esses jovens homens quebraram as regras”.

Ela disse que ela espera que Eddie descanse em paz. “Você nos trouxe tanta alegria e sua falta será para sempre. Eu prometi proteger você para sempre, e eu asseguro que pretendia fazê-lo. Eu estou arrasada que sua vida terminou do mesmo modo terrível como começou”.

“Eu sinto a falta dele terrivelmente”, ela disse.

Haynes sugeriu que os membros do público honrassem a memória de Eddie doando para santuários de porcos em Maui, incluindo o Maui Pig Sanctuary, Friends of All Beings (também conhecido como Maui Pig Ohana) e The Leilani Farm Sanctuary.

A Maui Humane Society encoraja a comunidade a relatar suspeitas de crueldade animal ligando para 808-877-3680, ramal 222. Disponível 24 horas por dia, 7 dias por semana.

Por Brian Perry / Tradução de Fátima C. G. Maciel

Fonte: Maui Now