Vídeo mostra momento em que tigre é morto pela polícia após funcionário tentar acariciá-lo em zoológico na Flórida, EUA

Vídeo mostra momento em que tigre é morto pela polícia após funcionário tentar acariciá-lo em zoológico na Flórida, EUA

Um tigre foi baleado e morreu no Zoológico de Naples, na Flórida, após atacar um funcionário que entrou em “uma área não autorizada” perto de sua jaula e tentou alimentar ou acariciar o animal na noite de quarta-feira (29 de dezembro), segundo autoridades.

De acordo com um post na página do Facebook do Gabinete do Xerife do Condado de Collier, o homem, que é membro de um serviço de limpeza terceirizado contratado pelo Zoológico de Naples, sofreu ferimentos graves e foi levado a um hospital depois que o tigre agarrou seu braço e o puxou para dentro do recinto através da cerca.

Tigre Eko foi morto pela polícia após ataque a funcionário em zoológico na Flórida. Divulgação/Zoológico de Naples
Tigre Eko foi morto pela polícia após ataque a funcionário em zoológico na Flórida. Divulgação/Zoológico de Naples

O primeiro policial na cena chutou o cercado e tentou fazer o tigre soltar o braço do homem de sua boca, mas o policial foi forçado a atirar no animal, dizia o comunicado. O zoológico de Naples disse à Reuters que o tigre malaio de oito anos chamado “Eko” morreu após o incidente.

Em sua página oficial da web, o zoológico afirma que Eko residia lá desde dezembro de 2019, após ser transferido do Woodland Park Zoo em Seattle.

Fonte: CNN


Nota do Olhar Animal: Zoológicos são uma lástima. Além de “condenar” animais à prisão perpétua, são inseguros para eles e também para os humanos. Ataque (de animais a humanos e vice-versa) são bem comuns, assim como as fugas, que quase sempre resultam na morte do animal.

ATUALIZAÇÃO: Novas informações dão conta de que o funcionário, de forma imprudente, tentou acariciar o tigre, o que motivou a reação do animal. E, no fim, mais um animal é abatido por conta da incompetência/imprudência de funcionários de um zoo.

Nove razões para não visitar zoológicos

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.