TJDFT nega visitação in loco no Zoológico e mantém audiência em 9 de abril

TJDFT nega visitação in loco no Zoológico e mantém audiência em 9 de abril
Em dois meses, dois animais morreram no Zoológico de Brasília (Foto: Luis Nova/Esp. CB/D.A Press)

O embate envolvendo o Zoológico de Brasília e a Confederação Brasileira de Proteção Animal (CBPA) continua. O Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios (TJDFT) negou o pedido da Procuradoria-Geral do DF (PGDF) de substituir a audiência de conciliação entre as partes, marcada para 9 de abril, por uma visita in loco. Após a morte do elefante Babu, em 7 de fevereiro, e da girafa Yvelise, em 24 de março, a CBPA alega que o Zoo não tem condições de manter as portas abertas.

O advogado que representa a CBPA, José da Silva Moura Neto, diz que a visita in loco não seria o ideal para esclarecer as questões pendentes do Zoo. De acordo com ele, a confederação enviou questionamentos sobre as condições dos animais e do lugar onde vivem, mas não obteve resposta. “Na audiência, podemos ter as respostas que buscamos. Precisamos saber do controle de mortes dos animais, quantitativo de câmeras, quantidade de vigilantes, escala de folgas e outras questões”, frisa.

Para a presidente da CBPA, Carolina Mourão, o Zoo deve permanecer fechado até apresentar condições reais de garantir a segurança dos visitantes e animais. “A morte do elefante e da girafa revela não somente a falta de segurança, mas negligência nessa demora de um atendimento”, aponta.

A assessoria de comunicação do Zoológico de Brasília informou que não vai se pronunciar sobre o processo. “Iremos prestar esclarecimentos durante audiência”, ressalta. Em entrevista ao Correio nessa terça-feira (27/3), o diretor-presidente do zoo, Gerson de Oliveira, garantiu que a situação do lugar está 100% legalizada, caso contrário, não estariam funcionando.

Mortes

Em 7 de fevereiro, o elefante Babu morreu no Zoológico de Brasília. Há suspeitas de que o bicho teria morrido envenenado. Nos exames cadavéricos foram encontrados chumbo, arsênio, mercúrio e elementos curínicos (composto químico tóxico ao animal).

À época, a instituição informou que os elementos são atípicos à rotina do local, o que pode configurar ação criminosa. O caso está sendo investigado pela Polícia Civil, com colaboração do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) e do Ministério do Meio Ambiente.

No sábado (24/3), a girafa Yvelise morreu devido a alterações renais e distração. Ela teve uma necrose no cólon maior e perdeu a vida com sete anos. Como se tratou de um problema de saúde, o Zoo descartou ação criminosa.

Por Walder Galvão

Fonte: Correio Braziliense

LEIA MAIS

Após morte de elefante por suspeita de envenenamento, ONG pede fechamento de zoológico na Justiça

ONGs de defesa animal apontam problemas em Zoológico de Brasília

Após vistoria, juiz do TJDFT nega maus-tratos a animais no Zoológico de Brasília

MPDFT participa de audiência pública sobre denúncias de maus-tratos no Zoológico de Brasília

Elefante que morreu no zoológico de Brasília pode ter sido envenenado

Girafa Yvelise morre no Zoológico de Brasília, DF

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.