Touro se espanta aterrorizado enquanto seus chifres são amarrados a estacas de madeira em chamas em filmagem chocante do festival espanhol

Touro se espanta aterrorizado enquanto seus chifres são amarrados a estacas de madeira em chamas em filmagem chocante do festival espanhol
Estacas de madeira mergulhadas em alcatrão altamente inflamável estão presas aos chifres do animal. O touro é então colocado para correr em torno de um anel improvisado em uma tentativa de apagar as chamas.

Imagens de terror surgidas mostram um touro a se debater de terror enquanto seus chifres são amarrados a estacas de madeira em chamas como parte de uma tradição espanhola anual.

As imagens chocantes foram feitas pela organização espanhola de direitos dos animais, AnimaNaturalis, durante o festival anual de Toro Jubilo, na cidade de Medinaceli, em Soira, na Espanha.

O evento angustiante “Fire Bull”, que acontece anualmente nos últimos séculos, costuma atrair cerca de 1.500 foliões.

O sangue pode ser visto na cabeça do animal enquanto as estacas são presas à sua cabeça. As filmagens e a fotografia são estritamente proibidas no evento, mas membros da organização de direitos animais AnimaNaturalis conseguiram entrar.

A festa “horrenda e cruel” que acontece no segundo final de semana de novembro mostra o animal aflito preso enquanto homens amarram estacas de madeira com alcatrão altamente inflamável em seus chifres.

As filmagens e a fotografia são estritamente proibidas no evento, no entanto, a organização afirma que se infiltrou para revelar a extensão dos maus-tratos aos quais os touros eram forçados.

Antes do início da cerimônia, duas imitações de chifres são presas à cabeça do touro, que é então coberta com alcatrão.

Em seguida, ele é rodeado por cerca de 20 homens, que usam sua força bruta para atear fogo às estacas.

As imagens chocantes mostram o touro petrificado correndo em torno de um anel improvisado montado para o evento, na tentativa de apagar o fogo que a instituição de caridade afirma poder durar horas.

Um porta-voz do grupo, disse: “O El Toro Jubilo de Medinaceli é um dos festivais populares mais aterrorizantes que ainda existem em nosso país”.

“Mas em várias regiões da Espanha, mais de 3.000 touros são queimados a cada ano, e faz parte da missão da AnimaNaturalis acabar com todas as festas que incluem o abuso de animais.”

O evento angustiante “Fire Bull” (foto) tem ocorrido anualmente nos últimos séculos, e normalmente atrai cerca de 1.500 foliões. Esta filmagem foi capturada durante o festival anual Toro Jubilo, na cidade de Medinaceli, na Soira.
O evento foi condenado pela Peta UK, uma organização sem fins lucrativos que faz campanha pelo tratamento ético de animais, que afirma que os touros suportam “sofrimento inimaginável” durante a festa. Fotos: AnimaliaNaturalis

A diretora da Peta no Reino Unido, Elisa Allen, condenou as imagens.

Ela disse: “Este é o século 21, mas de alguma forma em um país supostamente civilizado, é aceitável que as multidões de rua assediem os touros que tiveram bolas de piche em chamas presas aos seus chifres”.

“As bolas de fogo podem queimar por horas, e queimam os chifres dos touros, olhos e outras partes de seus corpos e causam tremendo estresse.”

“A agonia que os touros devem sofrer é quase inimaginável, e alguns animais tentam acabar com a dor golpeando-se nas paredes.”

“Embora diferentes culturas possam não entender os costumes uns dos outros, todos os humanos racionais compreendem a crueldade.”

“Incendiar um animal vivo é claramente sádico”.

Grupos ativistas dos direitos dos animais têm tentado proibir o esporte.

No entanto, as autoridades espanholas designaram o festival como um evento cultural, o que lhe confere um status especial.

Portanto, permite que continue apesar da condenação dos grupos e de uma maioria de espanhóis.

Ao mesmo tempo, mais de 90.000 pessoas assinaram uma petição para que o Papa Francisco intervenha.

Por James Wood, MainOnline / Tradução de Maria Leticia Guerra Machado Coelho

Fonte: Daily Mail

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.