Tratamento com cão que teve patas mutiladas já soma R$ 8 mil e tutora ainda precisa de ajuda

Tratamento com cão que teve patas mutiladas já soma R$ 8 mil e tutora ainda precisa de ajuda
Cachorro Pingo teve as almofadas das patas mutiladas em Araraquara (Foto: Arquivo Pessoal)

O cão Pingo, que teve as patas mutiladas em outubro do ano passado em Araraquara (SP) ainda está em tratamento e se recupera bem. A tutora do cãozinho de 11 meses disse que os gastos já chegaram a R$ 8 mil e ela ainda precisa de ajuda.

“Ele está tranquilo, mas ainda tem certos receios”, disse a vendedora Tamiris Silva Gomes, de 27 anos. A vendedora contou que conseguiu arrecadar o valor do tratamento com doações de terceiros, após uma campanha feita por um site. Mas ainda faltam alguns exames.

Quando estava para ser vacinado, Pingo chegou a contrair cinomose, uma das doenças que mais matam cães em todo o mundo, mas conseguiu superar. O cão já está caminhando.

“Demos uma botinha para ele, ficou super feliz, foi até engraçado, achou que era um brinquedo”, disse Tamiris. (veja o vídeo abaixo)

VÍDEO: Cão que teve pata mutiladas em Araraquara, SP, se recupera e volta a caminhar

Gastos e cuidados

Tamiris explicou que Pingo ainda tem que passar por algumas sessões de ozônio terapia, que promove a regeneração de tecidos mais rápida por meio do uso de ozônio. Cada procedimento custa cerca de R$ 100. Por causa da cinomose, ele também terá que realizar alguns exames que não custam menos de R$ 150.

A tutora do cãozinho disse que passa ao menos 30 minutos por dia fazendo curativos no animal. Por isso, precisa de faixas de curativo e algodão em rolo. Ela pede que, quem puder ajudar, pode entrar em contato com os números (16) 99251-3295 ou 99307-7230.

Pingo em clínica veterinária de Araraquara (Foto: Arquivo Pessoal)
Pingo em clínica veterinária de Araraquara (Foto: Arquivo Pessoal)

Entenda o caso

Pingo teve as patas mutiladas no dia 21 de outubro de 2017. Ele desapareceu após escapar de casa no Parque das Hortências, quando o sogro de Tamiris colocava o lixo para fora da residência.

Na época, o cão, que é uma mistura de fila com chip dog, estava acostumado a dar voltinhas até a esquina e depois retornar às tutoras. Mas no dia do incidente não foi o que aconteceu.

“Andamos o bairro inteiro de moto, quando deu uma 17h30 uma moça veio falar que ele estava no mato, perto da linha do trem, chorando”, disse Tamiris na ocasião.

Ao chegar ao terreno, Tamiris e a companheira encontraram o cachorro coberto por mato e com as patas dianteiras mutiladas, sem uma das almofadas e com a outra pendurada.

O cachorro foi levado para a clínica veterinária, onde passou pelo procedimento de retirada da almofada que estava pendurada e o tratamento das lesões. As tutoras do animal decidiram registrar o caso na Polícia Civil de Araraquara.

“Acho que foi algum drogado ou algum ser humano frio, que tem inveja. Não sei como a pessoa consegue deitar e dormir. Claro que a gente espera punição, mas quero que o Pingo seja salvo, quero ele de volta”, ressaltou a Tamiris.

Por Raquel Baes (sob supervisão de Fabio Rodrigues)

Fonte: G1

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.