Traumas de cachorros maltratados em rinha podem ser reversíveis, diz especialista

Traumas de cachorros maltratados em rinha podem ser reversíveis, diz especialista
Cães da raça pit bull foram apreendidos no local e estavam bastante machucados - Foto: Divulgação/SSP-SP

Os maus-tratos a animais voltaram a ser uma pauta nacional depois que a Polícia Civil de São Paulo desarticulou um evento de lutas clandestinas de cães em Mairiporã, na região metropolitana de São Paulo. Dezoito cachorros da raça pit bull, quase todos gravemente feridos, foram resgatados e agora estão sob cuidados tentando se recuperar.

De acordo com a Polícia, os animais estavam sem alimentação e expostos à chuva. Apesar de serem submetidos a diversas mazelas, é possível que os cães sobreviventes se recuperem e consigam viver uma vida saudável. “Os traumas podem ser reversíveis. Tudo depende do trabalho e da análise dos profissionais que trabalharão com esses animais. Às vezes, até um eventual dono, de forma leiga, consegue recuperar o animal, pelo fato dele ser essencialmente bom”, garante Erika Medeiros, co-fundadora do Matilhando, órgão especializado em psicologia canina.

Erika ressalta que só a retirada dos animais do local onde eram machucados já é um grande avanço. “O cachorro aprende por associação e por ambiente. Quando você leva o cachorro a uma condição extrema de violência, você cria um trauma. É preciso ensinar novamente a vida para o animal. Deixar de ferir o bem estar dele”.

Por questão de estereótipos, os pit bulls são os animais mais frequentes em eventos de rinha e lutas clandestinas, mas isso não quer dizer de forma alguma que eles são mais agressivos do que outras raças de cachorro. “Não há diferença entre as raças. Existem apenas individualidades dentro da raça. Não é exatamente porque é um pit bull que ele vai ser um cachorro agressivos. Eles têm um enorme potencial de ser dóceis, vai da forma como a pessoa que adotar lidar com o animal”, explica Erika.

Erika diz que os animais feridos na rinha de Mairiporã, de acordo com relatos de quem tem cuidado dos animais, “era bons, mas foram construídos tecnicamente para fazer o que eles fazem”.

View this post on Instagram

24hs DE CHAMA 🔥 levantamos a voz e nos unimos para iluminar a internet com nosso amor por nossos cães, de forma muito colaborativa e generosa, vocês estiveram junto no que se tornou uma campanha! ACENDA A CHAMA alcançou em 24hs 150 mil pessoas, 320 posts que nos dedicamos a compartilhar no stories, mas fomos além dos números: nós compartilhamos o amor que é a força mais poderosa que existe e isso transformou a dor em esperança!!! ACENDA A CHAMA foi um respiro em meio ao caos de dias tão densos, de um ano que foi cruel pra boa parte das pessoas que conhecemos e, quando as pessoas estão em crise, os animais sofrem também o dano. ACENDA A CHAMA nos trouxe o gostinho bom do coletivo, de fazer parte de algo, foi uma força imensurável que quebrou o sentimento de impotência que nos assolava. que a chama não se apague, que toda vez que algo ruim estiver diante de nós, nos lembremos de acender a 🔥 e se não conseguirmos sozinhos, que alguém o faça e o calor nos faça incendiar também. que essa energia boa e fôlego que tomamos seja aplicado nesses últimos dias do ano em benefício próprio e em benefício daqueles que convivem conosco, humanos e animais. pra melhorar isso tudo que chamamos de mundo, a mudança sempre começará em nós – e isso nunca será clichê. obrigada! 🔥✊🏽✊🏻 #eumatilho #gomatilhando

A post shared by Matilhando-Psicologia Canina® (@matilhando) on

Diante da repercussão da rinha, Erika conclamou seguidores a compartilhar fotos de seus cachorros para que demonstrem como os cachorros, no geral, são dóceis e amorosas. O pedido deu certo e o Matilhando recebeu mais de 300 fotos de animais.

Fonte: Yahoo


Nota do Olhar Animal: Esta informação já tira o argumento de gente de moral rasa que acha que a braveza do cão é motivo para assassiná-lo, culpando-o pelo comportamento que lhe foi ‘ensinado’. Mesmo que a agressividade não seja reversível, os cães devem ser mantidos em um santuário. E os custos deveriam recair sobre os tutores responsáveis por torná-los ferozes ou pelo Poder Público, responsável em última instância.

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.