Três tiros matam cão em Orleans, SC

Três tiros matam cão em Orleans, SC

A morte de um cão e a tentativa de outro gerou revolta e motivo para mobilização da Ong Dog Lovers em Orleans. Os crimes aconteceram na última quinta (06) e na sexta-feira (07) na comunidade de Sesmarias na casa de uma das voluntárias.

Conforme a voluntária Maria Tereza Tietböhl, o cão morto com três tiros estava sob os cuidados da Ong após ser resgatado em estado precário de saúde. “Fizemos o resgate desse cãozinho, junto com o irmãozinho dele, lá na Pindotiba. Era vítima de maus tratos”, conta.

Floquinho, como era carinhosamente chamado, foi encontrado morto com três tiros no pátio da residência da voluntária. “Nós ficamos muito tristes. Eu sinceramente ainda estou com o coração partido. Era um amor de cachorro. Não sei porque alguém fez isso com ele”, relata.

Ainda segundo a Ong, os casos de cães baleados tem se tornado frequentes na cidade. “Há dois meses, um cão levou um tiro no olho, possivelmente desferido de uma arma de pressão. E ontem (quinta), resgatamos um que levou um tiro no peito (vide foto). Ele está internado em uma clínica veterinária. O projétil está esta alojado no peito e provavelmente vai passar por uma cirurgia”, finaliza a voluntária, em entrevista ao portal Sul in Foco.

A Policia Militar e Civil já foram informadas sobre os casos. As denúncias de flagrantes de maus tratos contra animais pode ser realizadas pelo telefone 190 ou 191.

Crime

No Brasil, maltratar animais de qualquer espécie é considerado crime ambiental, segundo prevê o art. 32 da Lei nº 9.605, de1998, com pena de detenção de três meses a um ano e multa.

Além da violência física, são considerados maus tratos contra os animais: o abandono em via pública; mantê-lo permanentemente acorrentado; não abrigar do sol e da chuva; mantê-lo em local pequeno, não higiênico e/ou sem ventilação adequada; não alimentar diariamente; negar assistência ao ferido; obrigar o animal a trabalho excessivo, etc.

Fonte: Criciúma News

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.