Tucano é resgatado na região do Caparaó (ES) após sofrer maus-tratos

Tucano é resgatado na região do Caparaó (ES) após sofrer maus-tratos
Tucano-de-bico-verde resgatado. Foto: PMES.

Na manhã de terça-feira (15), um tucano-de-bico-verde foi resgatado pela Polícia Militar Ambiental em Divino de São Lourenço, na região do Caparaó. A ave é uma espécie nativa do Brasil comum em áreas de serra da Mata Atlântica, no entanto, as aparições da espécie são mais raras por conta da destruição do habitat. Apesar de ter sido encontrada com saúde, o tucano estava com penas das asas cortadas, que é uma característica de aves criadas em cativeiro.

O animal foi entregue aos agentes do IEMA onde passará por avaliação veterinária para que seja reintroduzido ao seu habitat. O ato de cortar as asas de aves, mesmo que sejam só penas, é considerado crime de mutilação e maus-tratos e, ainda, pode acarretar em pena de detenção de três meses a um ano, além de multa, segundo a Lei 9.605/98 (Lei de Crimes Ambientais).

O tucano-de-bico-verde é encontrado nas regiões Sul e Sudeste do Brasil, bem como no extremo sul da Bahia e no sul do estado de Goiás. Seus hábitos alimentares são, basicamente, frutos de palmito juçara, embaúbas e pequenos insetos. O bico é grande e a garganta e o peito são amarelos. A barriga é vermelha, tem cerca de 45 centímetros e pesa em torno de 300 gramas.

Confira o vídeo do animal logo após ser resgatado:

Pássaros são comuns em resgates da Polícia Ambiental

Ao longo de 2021, foram resgatados pelo Batalhão de Polícia Militar Ambiental (BPMA), 4.927 animais, silvestres ou vítimas de maus tratos, sendo que 4.220 destes animais são pássaros.

A Polícia Militar Ambiental orienta que ao deparar com tal situação, é preciso comunicar imediatamente os órgãos ambientais responsáveis para o recolhimento de animais silvestres. Denúncias podem ser feitas pelo telefone 181 ou por meio do site www.disquedenuncia181.es.gov.br. O sigilo e o anonimato são garantidos.

Por Carol Poleze

Fonte: ES360

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.