Turistas encontram golfinho morto na praia Brava, em Florianópolis, SC

Turistas encontram golfinho morto na praia Brava, em Florianópolis, SC

Por Keli Magri

Durante um passeio noturno nesta segunda-feira, três turistas de Curitiba e do Rio de Janeiro encontram o corpo de um golfinho morto na orla da praia Brava, no Norte da Ilha, em Florianópolis. O administrador financeiro de Curitiba, Gabriel Miranda, a esposa farmacêutica Roseli Nogueira  e o analista de infraestrutura do Rio de Janeiro, Kayo Lima, que estão de férias na Ilha, se depararam com o animal morto por volta das 21h30, próximo ao posto salva-vidas.

— Estávamos mostrando a praia para nosso amigo Kayo que está pela primeira vez na Ilha, quando minha esposa viu o golfinho. Achamos que poderia estar vivo, mas quando chegamos perto vimos que ele estava morto, parecia muito machucado e já tinha cheiro forte. Foi uma cena muito triste — conta Gabriel, que costuma passar as férias com a esposa em Florianópolis na casa do sogro em Canasvieiras.

Os turistas não chegaram a acionar nenhum órgão ambiental, mas o Projeto Monitoramento de Praias (PMP), condicionante de licenciamento ambiental federal, conduzido pelo Ibama, recolheu o golfinho na manhã desta terça-feira. O PMP é responsável pelo recolhimento de animais marinhos na Ilha de Santa Catarina. 

Segundo a veterinária da Associação R3 Animal, ONG que faz parte do PMP, Cristiane Kolesnikovas, o golfinho encontrado é da espécia Toninha, ameaçada de extinção, e poderia estar há dias morto.

SC Florianopolis turistas golfinho morto praia2

— Pelas condições da carcaça é possível que o golfinho já estava morto há alguns dias, até em alto mar. No entanto, ainda não podemos afirmar as causas da morte, nem mesmo se ele estava machucado como disseram os turistas. Vamos fazer a necrópsia nesta semana para identificar a provável causa de morte — afirma Cristiane.

De acordo com o PMP, sempre que alguém avistar um animal marinho vivo ou morto nas praias catarinenses, deve ligar para o telefone da ONG responsável pelo recolhimento: 0800 642 3341. Não recomenda-se tocar no animal. Se estiver morto, pode transmitir doença e, vivo, pode machucar ou ser machucado.

Fonte: DC

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.