Tutor de pit bull que matou gato em São Pedro da Aldeia, RJ, se apresenta à polícia e alega acidente

Tutor de pit bull que matou gato em São Pedro da Aldeia, RJ, se apresenta à polícia e alega acidente
Gato Olaf foi atacado e morto por pit bull em São Pedro da Aldeia — Foto: Reprodução/TV Globo

O tutor da cadela pit bull que atacou e matou o gato Olaf em São Pedro da Aldeia, na Região dos Lagos do Rio, se apresentou na delegacia nesta quinta-feira (29) para ser ouvido sobre o caso que repercutiu na região depois que um vídeo mostra o jovem e outros dois amigos passeando com cachorros e o cachorro se solta e ataca o gato.

O caso aconteceu no dia 16 de abril e câmeras de segurança registraram o momento (veja vídeo abaixo).

Em depoimento, o rapaz de 22 anos alegou que o caso foi um acidente e que não soltou o animal de propósito.

As imagens mostram que o tutor do cachorro não reage quando o animal se solta. Em seguida, as imagens mostram ainda que o rapaz chutou o gato algumas vezes enquanto o cachorro ainda o atacava. O gato não resistiu ao ataque.

Olaf era cuidado por um idoso de 61 anos. A tutora do Olaf deixou o gatinho com o idoso porque ela está passando por um tratamento contra um câncer.

Depois da repercussão, a polícia conseguiu identificar o tutor do cachorro e o intimou.

“[Espero] que ele reconheça o que ele fez. Independente do que aconteça, que ele saiba que ele tá errado. Ele merece ficar preso pra ele pagar pelo que ele fez. Eu quero justiça”, disse a dona do Olaf, Phamela Laporte.

Vídeo: Polícia identifica e intima homem que soltou pit bull para matar gato em São Pedro d’Aldeia

Lei de Crimes ambientais
 
Artigo 32 – Praticar ato de abuso, maus-tratos, ferir ou mutilar animais silvestres, domésticos ou domesticados, nativos ou exóticos.

Quando se trata de cão e gato, a pena é de 2 a 5 anos de prisão.

A pena é aumentada de um sexto a um terço, se ocorre morte do animal.

Fonte: G1

Jovem solta pit bull para atacar gato em São Pedro da Aldeia, RJ

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.