Tutor é autuado por maus-tratos a cachorro e posse ilegal de ave silvestre em Ituiutaba, MG

Tutor é autuado por maus-tratos a cachorro e posse ilegal de ave silvestre em Ituiutaba, MG
Cão estava acorrentado em corrente curta e em uma área sem proteção ao sol e a chuva. — Foto: Policia Militar de Meio Ambiente/Divulgação

Uma pessoa, de idade não divulgada, foi autuada nesta terça-feira (14) por maus-tratos a um cachorro e posse ilegal de um papagaio em Ituiutaba. De acordo com a Polícia Militar de Meio Ambiente (PMMA), a equipe chegou à residência no Bairro Lagoa Azul após denúncia de maus-tratos a animais.

No local, os militares encontraram o cachorro de médio porte com magreza extrema, amarrado em uma corrente curta e sem um local para se proteger do sol ou da chuva. Além disso, o tutor do animal não apresentou nenhum documento que comprovasse a prestação de atendimento ou acompanhamento veterinário. Também foi verificado pela polícia que não havia medicamentos para tratamento do animal.

Na casa, a polícia ainda encontrou um papagaio, que é um animal silvestre, sendo criado em cativeiro sem a devida autorização do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama).

Conforme a PMMA, devido aos fatos, o Juizado Especial Criminal de Ituiutaba lavrado um Termo Circunstancial de Ocorrência (TCO) para o tutor responder pelos crimes ambientais de maus tratos e de manter em cativeiro ave da fauna silvestre. Além disso, foi aplicada uma multa no valor de R$ 13.918,50.

Ainda de acordo com os militares, o cachorro foi encaminhado para uma clínica veterinária da cidade para receber os devidos tratamento médicos. Segundo o sargento Eduardo Venâncio, a guarda foi retirada do autor e o juiz deve decidir o futuro do cachorro. “Normalmente, não volta para o tutor. É retirada a guarda, o animal é tratado, cuidado e depois colocado para a adoção”, afirmou.

Sobre o papagaio, o sargento informou que a ave permanece na casa, já que não há local na região que recebe esse tipo de animal. Além disso, conforme Venâncio, o papagaio é extremamente domesticado e dependente, já que está com o autor há 17 anos, e por isso uma reabilitação e soltura seriam muito difíceis.

“A princípio, a gente deixa na casa e o juiz no final do processo decide, mediante avaliação de peritos, como veterinário, se a ave continua com o autor ou se tira a guarda e deposita para outra pessoa ou instituição. Com a assinatura do TCO, a audiência do autor já está mercada perante o Juizado Especial”, explicou.

Animal Silvestre sem registro foi encontrado em casa de Ituiutaba. — Foto: Policia Militar de Meio Ambiente/Divulgação

Fonte: G1

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.