Tutora de cadela que morreu por superaquecimento de manta térmica diz que ficou sabendo de queimaduras após 24h

Tutora de cadela que morreu por superaquecimento de manta térmica diz que ficou sabendo de queimaduras após 24h
Charlote teve o corpo queimado durante um procedimento no olho — Foto: Arquivo pessoal

A tutora de Charlote, cadela da raça shith-tzu que morreu após ter o corpo queimado por uma manta térmica, afirmou que entrou em contato com a clínica veterinária para saber notícias do animal após o procedimento de retirada do olho, mas que só foi avisada sobre as queimaduras causadas na cadela no dia seguinte, quando foi buscá-la.

Segundo Eliane Aparecida, ela era muito apegada à cadela e a tratava como uma filha. Agora, está tendo dificuldades para ficar em casa.

“Parecia que eu sabia que tinha alguma coisa errada. Fiquei ligando para lá e não me avisaram o que tinha acontecido. Fiquei sabendo das queimaduras só quando fui buscar a Charlote. Tá um buraco muito grande”, relatou.

A filha da tutora afirmou que também está muito abalada, pois passava o dia inteiro na casa da mãe brincando com o animal.

“Não estou conseguindo ir para a casa da minha mãe, estou ficando na minha sogra, foi um descaso muito grande”, disse Juliana.

Nesta terça-feira (2), a tutora e a família foram até a Câmara dos Vereadores para pedirem leis mais rígidas em casos de crimes contra animais. “A gente espera por justiça, por todas as Charlotes”, afirmou a tutora.

A delegada responsável pelo caso, Liliane Murata, contou que os responsáveis pela clínica serão ouvidos ainda essa semana. “No dia seguinte a morte da Charlote foi realizada uma perícia complementar, estou aguardando o laudo”, disse.

Charlote morreu na sexta-feira (28) — Foto: Arquivo pessoal
Charlote morreu na sexta-feira (28) — Foto: Arquivo pessoal

Entenda o caso

Uma cadela da raça shih-tzu morreu, nessa sexta-feira (28), após ter o corpo queimado por uma manta térmica. Charlote foi levada para uma clínica veterinária, em Cuiabá, para fazer uma cirurgia no olho, no dia 11 de abril e, durante o procedimento, houve um superaquecimento da manta causando queimaduras no cão.

A família disse que o veterinário deu alta à cadela e receitou uma pomada comum para queimaduras. Ao colocar o animal no carro, a família notou que Charlote chorava muito, momento em que um funcionário levou o cão de volta para a clínica.

Segundo a filha da tutora, ao entrar para vê-la, notou que ela não tinha recebido nenhum tratamento e decidiram retirar Charlote da clínica e levar para outro estabelecimento veterinário. Já em tratamento no outro local, a cadela morreu de parada cardíaca.

O que diz a clínica

A Clínica Veterinária Bendita Pata informou por meio de nota que Charlote estava sob efeitos de medicações, como anti-inflamatório, antibiótico e analgésicos. Segundo o estabelecimento, a direção está apurando o ocorrido e tomando as providências necessárias para entender o que aconteceu com a paciente e se dispôs a arcar com os gastos na outra clínica.

Por Matheus Maurício e Luiz Vieira

Fonte: G1