Tutora de cadelas mortas por sufocamento em carro de pet cobra justiça

Tutora de cadelas mortas por sufocamento em carro de pet cobra justiça
Foto: Reprodução/G1 MT

A tutora de duas cadelas da raça maltês que morreram depois de esquecidas dentro do veículo de um pet shop de Cuiabá [MT], Claudia Castro, está inconformada com a tragédia que aconteceu com seus animais de estimação. Ela cobra justiça pela morte dos animais. O caso está sendo investigado pela Delegacia Especializada de Meio Ambiente (Dema). Os responsáveis pelo fato podem responder por maus-tratos causados pela negligência aos animais.

As cadelas foram deixados por Cláudia no estabelecimento para cuidados de banho e tosa e, posteriormente, deveriam ser entregues à mulher. Durante entrega de outros animais, as cadelas foram esquecidas dentro do veículo e já foram encontradas sem vida, possivelmente mortas sufocadas em decorrência do calor.

“Pode não ser nada para outras pessoas um cachorro, mas para algumas pessoas são. Não quero ficar vendo as pessoas também sofrendo por isso”, disse Claudia aos prantos, em entrevista à TV Centro América.

Conforme reportou o HNT, o dono do pet shop relatou que saiu para fazer a devolução de alguns animais, mas esqueceu das duas cadelas, que eram as últimas da rota do dia. Segundo a polícia, era um procedimento de costume a tutora deixar as cadelas sob responsabilidade do pet shop, uma vez que os animais frequentavam o mesmo local há cerca de três anos.

“O proprietário [foi] buscar elas em casa. Levou elas para tomar banho. Às 11h40, mandei mensagem e falaram que elas estavam bem. Às 14h, a esposa do proprietário [do pet shop] ligou via vídeo para saber onde eu trabalhava para ir me dar a notícia. Mas ela já tinha ligado para minha mãe para ela ajudar a me contar”, relatou Claudia.

O Dema informou que estava investigando o caso para apurar se houve dolo ou outro tipo de irregularidade por parte do estabelecimento responsável pela morte dos animais.

“Estivemos com a tutora desse animais. Resta ainda juntar documentos, laudos, perícia que foi realizada no local e agora apurar toda essa conduta do profissional [donos do pet shop]”, declarou a delegada do Dema, Liliane Murata.

Estiveram também presentes no local, as equipes da Secretaria Adjunta do Bem-Estar Animal, o Conselho Regional de Medicina Veterinária

“Existe uma resolução do Conselho Federal de Medicina Veterinária, onde tem uma lista de situações que pode ser maus-tratos e essa negligência por parte do responsável desse pet shop, pode sim, se enquadrar nessa lei”, destacou Carla Milas, presidente da Comissão de Defesa dos Animais da Ordem dos Advogados do Brasil em Mato Grosso (OAB-MT).

Por Jolismar Bruno

Fonte: HiperNotícias

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.