Ucrânia: Ativistas pedem que Kiev não mate milhares de animais de rua antes de evento musical

Ucrânia: Ativistas pedem que Kiev não mate milhares de animais de rua antes de evento musical
Foto: Sputnik / Stringer.

À época, a brutalidade contra os animais de rua foi destaque na mídia internacional. Com o objetivo de “limpar” as ruas da capital antes do evento começar, cães e gatos foram envenenados, baleados e até queimados vivos, enquanto o governo oferecia £35 (o equivalente a R$136 em valores atuais) a quem matava os animais.

De acordo com ativistas da causa animal, neste ano Kiev estaria planejando usar a mesma técnica de envenenamento para esconder dos turistas e da imprensa internacional que chegará ao país em maio para o Eurovision, a quantidade de cachorros abandonados.

Procurando evitar que tal atrocidade aconteça, uma fã alemã do concurso criou uma petição na internet direcionada ao presidente Petro Poroshenko. Com o nome de “Ucrânia, não mate os cachorros de rua para o Eurovision Song Contest”, o documento já passa das 12 mil assinaturas. Na justificativa, a idealizadora Justine Schindler escreve:

“Em 2017, a maior competição e show de música da Europa, o Eurovision Song Contest, acontece na Ucrânia. É possível e provavelmente se tornará realidade, que a Ucrânia fará o mesmo: cães desamparados da rua serão dolorosamente assassinados apenas por ruas “limpas” e assim outros países terão uma boa impressão. Um show de música, que representa a coesão, o amor e a paz para a Europa (e, na verdade, para o mundo), não pode ser compatível com a massacre de animais desamparados, que não faziam nada além de viver nas ruas”.

Nem autoridades ucranianas nem a União Europeia de Radiodifusão, dona da competição, se manifestaram sobre o documento. A Ucrânia ganhou o direito de sediar o Eurovision depois de vencer com a cantora Jamala no ano passado na Suécia. À época, o resultado foi muito contestado porque a competidora ucraniana levou uma música que falava sobre a intervenção russa à Crimeia em 1944.

Fonte: Sputnik

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.