UFPR promove encontro com protetores independentes de animais

A Universidade Federal do Paraná (UFPR) realizou na segunda-feira (24) o I Encontro de Protetores Independentes do Paraná. O evento reuniu pessoas que não são ligadas a ONGS e que fazem um trabalho importante de proteção aos animais. O objetivo foi buscar uma aproximação entre a universidade e esses voluntários, discutindo formas de juntos fazer cidades melhores para humanos e animais, diminuindo maus tratos, abandono e tendo em vista a saúde das comunidades. O evento foi coordenado pela professora Rita de Cassia Maria Garcia, do curso de Medicina Veterinária.

Ela conta que a ideia do encontro teve origem com a demanda trazida por três estagiários em Medicina Veterinária do Coletivo, abordando a necessidade de colaborar com os protetores independentes no manejo populacional de cães e gatos. A Medicina Veterinária do Coletivo é uma nova área da Medicina Veterinária, que agrega as grandes áreas de saúde pública, medicina de abrigos e medicina veterinária forense. “O abandono de cães e gatos é um sério problema mundial, principalmente nos centros urbanos. Ações como educação para guarda responsável, registro e identificação dos animais (relacionando-os com seus proprietários), legislações pertinentes e controle reprodutivo (hoje a castração cirúrgica) são os principais pilares para conseguirmos coibir o abandono”, explica a professora Rita.

Durante o Encontro, os protetores retrataram suas ações e importantes projetos educativos foram identificados. As demandas geradas e que podem ter interface entre Universidade e Protetores Independentes (PI) , além de outros setores da sociedade foram: criar uma rede de veterinários solidários que possam atender os animais encaminhados pelos PI a preços reduzidos e a necessidade de um hospital público; a falta da castração massiva nos municípios, propiciando abandono de filhotes e fêmeas prenhes; o número de castrações feitas hoje pelos municípios, mesmo em parceria com a UFPR, é muito pequeno para ter um efeito sobre a dinâmica populacional; a falta de um local para abrigar temporariamente animais vítimas de maus tratos faz com que as ações da policia ficam atravancadas, uma vez que o animal vitimizado tem que continuar com o seu próprio agressor; o envolvimento do CRMV do PR na questão do manejo populacional de cães e gatos para ajudar na divulgação da importância das ações sociais pelos médicos veterinários, uma vez que a solução da problemática do abandono passa pelas mãos dos veterinários; a necessidade da participação dos PI, UFPR e demais atores sociais envolvidos com o manejo populacional e com a causa animal nos conselhos municipais de meio ambiente e saúde das cidades do Paraná, para levar propostas relacionadas a programas para o manejo populacional de cães e gatos.

Fonte: Bem Paraná

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.