Últimas orcas em cativeiro em pequenos tanques na Rússia são libertadas

Últimas orcas em cativeiro em pequenos tanques na Rússia são libertadas

“Uma grande vitória ambiental”. Após uma onda de indignação internacional, os ecologistas receberam na terça-feira, 27 de agosto, o anúncio das autoridades russas sobre a libertação das últimas orcas mantidas em cativeiro durante um ano em pequenos tanques.
No entanto, 75 baleias-beluga permanecem em cativeiro num centro próximo da cidade de Najodka, a 200 km de Vladivostok. A proibição de captura de animais marinhos por parte da Rússia para vendê-los a aquários, sobretudo na China, continua a ser uma questão em suspenso.

O Instituto de oceanografia russo referiu esta terça-feira que as duas últimas orcas e ainda seis belugas tinham sido transportadas de barco e camião por 1.800 quilómetros até ao Mar de Okhotsk, no oceano Pacífico, onde foram libertadas. Desde junho passado, dez orcas e 12 belugas foram devolvidas ao mar da mesma forma.

A organização russa Sajakin Watch, que milita a favor destas libertações, celebrou uma “grande vitória ambiental”, que ocorreu apesar de “contratos assinados com compradores chineses”.

Segundo as autoridades russas, a prioridade era libertar as orcas durante o verão porque são menos resistentes que as belugas, uma espécie ártica que pode ser devolvida ao oceano em períodos mais frios.

Em fevereiro, foram divulgadas fotografias de 11 orcas e 93 belugas amontoadas desde 2018 em pequenos tanques perto da vila de Nakhoda, a 200 quilómetros de Vladivostok, o que desencadeou uma vaga de protestos internacionais.

Uma petição no site change.org a exigir a libertação dos animais recolheu mais de 1,5 milhões de assinaturas, entre as quais as de celebridades como o ator norte-americano Leonardo DiCaprio.

A Rússia é o único país no mundo a autorizar a captura e a venda de orcas e de belugas para aquários, uma prática controversa tornada possível graças a falhas jurídicas que as autoridades prometeram corrigir.

Fonte: Sapo / mantida a grafia lusitana original 

Os comentários abaixo não expressam a opinião do Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.