Um amor dividido entre 60 cães

Um amor dividido entre 60 cães

Há mais de 20 anos Detinha destina sua vida a cuidar de cachorros maltratados ou abandonados. Atualmente ela tem em sua casa 60 cães.

Por Ana de Mattia

Maria Claudete Clemes, mais conhecida por Detinha do Farol, cuida atualmente de 60 cachorros abandonados. O seu amor e trabalho começou há mais de 20 anos.

Segundo Detinha, os animais são levados para sua casa por outras pessoas, que acaba os achando nas ruas. A pessoa vira uma “madrinha” desse animal, deve levar ração, remédios, castrar e tudo que for preciso até ele conseguir um novo lar. Os nomes escolhidos são os mesmos das pessoas que levam os cães até no local.

“Meu negócio são animais de rua, principalmente aqueles que são maltratados”, conta ela.

Assim que o cãozinho é adotado, Detinha continua monitorando. “Os novos donos têm que me mandar fotos, caso não, eu vou até lá ver como eles estão”, ressalta a cuidadora.

Quem a ajuda a cuidar de todos os animais é a sua irmã, Rosiléa Clemes, que assim como Detinha é uma amante dos bichos. “Eu também sempre gostei muito, mas eu gosto mais de gatos”, brinca.

Paixão

Segundo Detinha as pessoas escolhem os animais com os olhos. “O pessoal pega os animais pelos olhos e não pelo amor, por isso os cachorros mais debilitados não enchem os olhos de ninguém, e ficam aqui”, expõem a cuidadora.

Ela cuida de cachorros cegos, paralíticos e com certas doenças e são os mais xodós da casa. Além da sua gatinha Magali, que para Detinha é a dona da casa. “Ela manda em tudo, os cachorros são obrigados a gostar dela, senão ela bate”, frisa.

O seu primeiro cão foi adotado aos 20 anos e desde então ela não parou de receber novos amigos, porém no início desse projeto era difícil dizer tchau. “Alguns cachorros me marcaram mais, esses ficaram comigo e não deixava adotá-los, ficaram comigo até morrerem”, fala.

Feira de adoção

A cuidadora também é integrante do grupo Unidos pelos Animais e a cada dois meses o pessoal faz uma feira de adoção no Parque das Nações com os que estão sob os cuidados de Detinha. Na primeira edição foram 44 cachorros adotados.

“Para adotar o cachorro tem que fazer um cadastro, com endereço, nome, tudo. Também não pode deixar ele preso, o cachorro sempre tem que estar livre, como aqui ”, relata. A próxima edição da feira vai ser 28 de agosto no Parque das Nações.

Solidariedade

Os itens que estão em falta na casa de Detinha são os produtos de limpeza e ração. Quem quiser ajudar ou marcar uma visita pode fazer o contato pelo telefone (48) 9993-8905.

Fonte: SATC

Mais notícias

{module [427]}

{module [425]}

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.