Uma série de operações de combate às rinhas de galo no Texas têm defensores de animais pedindo mudanças nas leis atuais

Uma série de operações de combate às rinhas de galo no Texas têm defensores de animais pedindo mudanças nas leis atuais
Michael Minasi / KUT News; Galos que foram resgatados recentemente de uma rinha aguardam adoção, em 9 de dezembro de 2022, no Austin Animal Center.

As recentes incursões às rinhas, no Texas, incluindo duas buscas, no final de semana passado, que levaram a dezenas de prisões, levaram grupos de bem-estar animal pressionando por novas leis que proíbam o transporte de aves usadas no esporte de sangue por correio regular.

A legislação pendente, em nível federal, também proibiria transmissão simultânea e jogos de azar de lutas de animais no país. É um movimento que poderia salvar dezenas de milhares de animais de morte violenta num esporte que, embora proibido em todo o país, ainda floresce.

“Estimamos até 20 milhões de aves de rinha, nos Estados Unidos, nas quais milhares são enviadas pelo Serviço Postal dos Estados Unidos, disse Wayne Pacelle, presidente da Animal Wellness Action, organização nacional de defesa de direitos. Os suspeitos também estão enviando aves para 30 outros países.”

A legislação, denominada the Fight Inhumane Gambling and High-Risk Animal Trafficking Act, ou FIGHT Act, busca também criar um direito privado de ação contra os combatentes animais.

Pacelle falou com o Texas Newsroom, depois que as autoridades policiais coibiram, no sábado 12 de maio, no condado de Bexar, uma luta de galos e prenderam aproximadamente 80 pessoas que participavam do evento. Eles foram intimados e mais tarde liberados, segundo relatório da KSAT. Agentes recuperaram cerca de duzentas aves e armas de diversos tipos.

Naquele mesmo dia, outra ação, no condado de Goliad, resultou em mais de sessenta prisões e várias armas recuperadas no local, segundo a mídia local.

“Crime organizado”

A rinha de galo já é ilegal no Texas. Uma pessoa que participa de rinha pode ser acusada de crime leve. A penalidade aumenta para um crime de prisão em âmbito estadual se a pessoa promover a luta ou lucrar com os ganhos da rinha.

“Eu acho que não está claro para as pessoas que a luta contra as rinhas não se trata apenas dos maus-tratos aos pássaros. É chamado de crime organizado”, disse Janette Reever, gerente do programa de crimes contra os animais e investigações para o United States Humane Society.

“É possível que haja outras atividades ilegais nas quais eles participam. E isso pode envolver armas ilegais, drogas e, até mesmo, abuso sexual, disse Reever ao Texas Newsroom.

Reever e Pacelle elogiaram os esforços da polícia para combater os jogos ilegais. Mas ambos disseram que sua prevalência é devida, em parte, ao cardápio de outros crimes que são oferecidos aos participantes.

Michael Minasi/KUT; Galos resgatados de uma rinha, em Austin, em 2022.
Michael Minasi/KUT; Galos resgatados de uma rinha, em Austin, em 2022.

“Algumas pessoas […] podem ir a uma rinha de galo porque estão lidando com drogas, armas ou o que quer que seja. Aproveitam para ver a briga e são atraídos para essa brutalidade. Assim veem quanto dinheiro troca de mãos”, declarou Reever.

Em comunicado, o grupo de Pacelle destacou que as buscas recentes no Texas demonstram quão amplo é o problema. Isso inclui um evento em fevereiro, no condado de Potter, onde as forças policiais apreenderam cerca de 160 aves e prenderam o organizador. Dezenas e mais dezenas de participantes também foram entregues aos agentes federais de imigração depois que os agentes do xerife suspeitaram que estivessem no país ilegalmente.

Em outubro do ano passado, uma denúncia anônima levou policiais de San Jacinto a incursão numa rinha de galo lotada. Mais de uma dúzia de pessoas foram presas depois que centenas fugiram para as proximidades. Armas semiautomáticas também foram encontradas, de acordo com a reportagem da mídia local. Já em 2022, um homem da Carolina do Sul foi condenado a 13 anos em prisão federal após se declarar culpado por associação criminosa com a intenção de distribuir metanfetamina em uma suposta rota de tráfico que ia do Texas a Geórgia. As drogas foram nomeadas por co-conspiradores de “galos” por causa do envolvimento do homem com as rinhas.

“No momento de sua prisão, as autoridades policiais descobriram centenas de animais em estado deplorável e evidências de lutas de galo em sua propriedade”, disse o Departamento de Justiça dos EUA em um relatório.

Envios transfronteiriços

Pacelle afirmou que o objetivo da legislação federal de interromper o transporte dos animais via correio seria um grande avanço no combate às rinhas. Parte da razão é que as organizações criminosas mexicanas preferem aves dos Estados Unidos.

“No México, os cartéis realmente não querem criar aves para rinha. Então, eles reconhecem que muitos dos galos de rinha dos EUA são, na maioria, dos melhores criadores / lutadores”, afirmou.

As aves também são importadas, acrescentou, ficam aqui ou são levadas do Texas para estados vizinhos em operações sofisticadas de rinha.

“O Texas era cercado pelos maiores estados em rinha de galo dos EUA”, disse ele. “Era um grande estado de rinha por si só. Mas, então, você simplesmente tem uma quantidade enorme tanto de movimentação interestadual de rinha de aves quanto transfronteiriço.”

Um cronograma sobre quando o Congresso dos EUA poderia considerar a FIGHT Act não está claro. Os escritórios da U.S. Sens., Ted Cruz e John Cornyn não responderam a um pedido de comentário sobre a legislação ou se a apoiam.

A proximidade do Texas com o México agrava o problema. Mas Reever disse que a luta contra a rinha não está confinada a uma região. Parte da maneira como ela auxilia na aplicação da lei é estudando rótulos de transporte para ver onde algumas das aves estão sendo transportadas.

“Nós vemos de todos os lugares; pode ser intraestadual. Temos alguns [casos] onde eles estão sendo enviados, talvez para a Califórnia e Carolina do Sul. E então, não há supervisão para isso”, disse ela. “Isso deixa essa atividade onde qualquer pessoa pode participar.”

Também não se limita a uma cultura.

“Quando você olha para alguns dos maiores produtores de rinha de galo e para os que enviam seus pássaros, esses locais tremendos […] é uma mistura”, disse. “Assim como a rinha de cães, não existe pessoa em particular que vai estar envolvida.”

Por Julián Aguilar / Tradução de Alan Dalles

Fonte: HPPR

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.