Universitária aposta na fabricação de leites veganos em Porto Alegre, RS

Universitária aposta na fabricação de leites veganos em Porto Alegre, RS

Cíntia Selbach, 26 anos, lançou a El Gato, em Porto Alegre, há pouco mais de um mês.

Por Mauro Belo Schneider

RS PortoAlegre leites veganos2

Foi depois de perceber que não se encaixaria no modelo de funcionária de indústria que a técnica em Química e estudante de Engenharia Química da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (Ufrgs), Cíntia Selbach, 26 anos, decidiu lançar a El Gato, em Porto Alegre. A marca trabalha com produtos veganos, como leite, iogurte, cremes e achocolatados.

“Não queria simplesmente me formar engenheira, ir para indústria e trabalhar com objetivos que não eram meus. Com a minha empresa, posso contribuir para um mundo um pouco melhor, o que na indústria é complicado”, diz Cíntia. A El Gato, formada há pouco mais de um mês, recebe pedidos através de seu site (www.elgatopoa.com), pelo Facebook e pelo Whatsapp.

Cíntia comenta que muito se fala que “veganismo é coisa de elite”, e a intenção dela é justamente quebrar esse paradigma. “Queremos que as pessoas possam ser veganas sem achar que precisam ser ricas”, avisa. Por isso, no cardápio há mais de um tipo de leite.

A opção a base de amêndoas pode chegar a R$ 18,00 por litro. Há, contudo, a de soja, que custa R$ 8,00 o litro, e uma a base de arroz e aveia, entre R$ 4,00 e R$ 6,00. Quem devolve a garrafa de vidro para reaproveitamento ainda ganha R$ 2 de desconto.

Cíntia concilia a empreitada com o estágio na Petrobras e as aulas na faculdade. Para isso, recebe a ajuda da mãe, que cuida com carinho das embalagens, da irmã, na parte de imagem, e do namorado, na produção. Nas feiras que participa, a média de vendas é de 100 garrafas. Fora isso, chegam cerca de dez encomendas semanais. “A ideia é fazer em casa, dominar o processo de produção, testar os produtos, validar a hipótese de que há mercado e conhecê-lo para, então, partir para o aumento da produção”, expõe.

No futuro, Cíntia pretende ter uma fábrica para produzir em maior escala e distribuir para supermercados e lojas. Assim, deixará os produtos mais acessíveis para o consumidor.

O investimento inicial do negócio girou em torno de R$ 1 mil para aquisição de garrafas e panelas e de R$ 500 para os grãos. “Nossos leites vegetais são para pessoas que optam por não consumir derivados de animais, veganas e vegetarianas, assim como pessoas com restrições alimentares ou que buscam uma alimentação mais saudável”, resume.

RS PortoAlegre leites veganos

Fonte: GE

{module [425]}

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.