Urso-pardo é abatido na Itália após seguir casal em parque florestal, mas ativistas criticam decisão

Urso-pardo é abatido na Itália após seguir casal em parque florestal, mas ativistas criticam decisão
Urso pardo — Foto: Urbano Erbiste/EXTRA

Um urso-marrom, identificado como “M90”, foi abatido por funcionários da Guarda Florestal italiana na província de Trento, norte do país, por ser considerado “perigoso” para os pedestres. A morte do animal ocorreu na terça-feira e gerou uma polêmica entre ativistas do meio ambiente, que organizam um protesto para este sábado, e críticas do Ministério do Meio Ambiente italiano.

O abate, que ocorreu após uma autorização da província, teria ocorrido pelo fato de M90 ter seguido um casal na região por mais de 1,5 km, no último dia 28, explicou o governador Mauzio Fugatti, em um comunicado. O texto, citado pela Associated Press, afirmava que o animal mostrou “confiança e frequência excessivas em áreas urbanas”, tendo seguido várias pessoas em diversas ocasiões, além dos dois pedestres, em uma estrada florestal.

O urso, ainda segundo a agência, foi identificado através de um rádio-colar e uma etiqueta de localização. Ele foi morto na região montanhosa alpina de Val di Sole.

‘Última solução’

A morte do animal, contudo, gerou uma onda de protestos por parte de ativistas ambientais e críticas do Ministério do Meio Ambiente e Segurança Energética italiano.

A pasta questionou o abate de M90, afirmando que ele “não pode ser a única alternativa”. Gilberto Pichetto, dirigente do ministério, citado pela agência de notícias italiana Ansa, pontuou que “o compromisso” deve mirar a multiplicação “dos esforços para encontrar todas as soluções possíveis a fim de garantir uma convivência pacífica nas áreas”.

“Mobilizei novamente todas as estruturas vinculadas ao Ministério para definir uma estratégia rápida, na qual o abate seja realmente a última solução”, concluiu o comunicado.

Já os ativistas criticaram a rapidez com que a ordem e execução ocorreram, impedindo que eles entrassem com um pedido de suspensão.

“[O decreto] nos leva a crer que, enquanto a ordem estava sendo assinada, os rifles já estavam soltando fumaça”, afirmou Massimo Vitturi, integrante do grupo de direitos humanos LAV, à AP.

Uma manifestação está sendo organizada para sábado, na capital da província, de mesmo nome, segundo a AP.

Debate se intensifica

O abate do urso M90 é mais um episódio na intensa discussão acerca do aumento da população de ursos pardos nas regiões alpinas e de como lidar com ele. A espécie beirou a extinção, mas conseguiu se recuperar graças a um financiamento da União Europeia (UE), explicou a AP.

Com o aumento, os casos parecem cada vez mais sucessivos. Recentemente, uma fêmea — identificada como JJ4 — foi capturada após ter matado um pedestre e ferido pai e filho, que passeavam pelo Parque Nacional de Brenta, em 2020.

O urso pardo identificado como JJ4 foi capturado pelas autoridades — Foto: AFP
O urso-pardo identificado como JJ4 foi capturado pelas autoridades — Foto: AFP

No caso de JJ4, ativistas pedem que ela seja transferida para a Romênia, enquanto um tribunal administrativo italiano busca esclarecer com o Tribunal de Justiça Europeu sobre a ordem para o abate. Dois dos irmãos da fêmea foram mortos enquanto circulavam pela Suíça e Alemanha, em 2005 e 2008.

Além disso, enquanto o futuro de JJ4 é decidido, foram encontrados os cadáveres de outros dois ursos, M62 e MJ5.

Caso similar na Holanda

Na Holanda, um tribunal concedeu permissão às autoridades para disparar bolas de tinta em lobos “desviados”, que representassem perigo para as pessoas. A decisão também ocorre em um momento no qual a Europa precisa lidar com a recuperação dessa população, que estava próxima à extinção.

Fonte: Extra

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.